Eleições no Reino Unido: Os Conservadores podem sofrer um ‘déjà vu’?

Primeira-ministra britânica Theresa May arriscou jogada táctica. A menos de uma semana das eleições, Partido Conservador perde vantagem e faz voltar o ‘fantasma’ da jogada de Cameron que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia.

Há jogadas tácticas audazes mas nem todas premeiam os corajosos. A primeira-ministra Theresa May arriscou uma cartada política e a 19 de abril surpreendeu o mundo quando à porta de 10 Downing Street anunciou que iria convocar eleições antecipadas para 8 de junho. Mas pode a líder britânica estar a correr o risco do antecessor, David Cameron, e o ‘bluff’ sair-lhe caro?

A menos de uma semana das eleições no Reino Unido as sondagens apontam que o Partido Conservador pode não conseguir uma maioria absoluta. O Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn parece ter ‘ressuscitado’ da estagnação que lhe havia sido vaticinada e tem ganho terreno.

Quando em abril, Theresa May convocou, três anos antes do previsto, eleições, justificando a decisão com a necessidade de reforçar a estabilidade do país, as sondagens e as taxas de aprovação deram-lhe o ímpeto para arriscar a jogada táctica. O objectivo passava  por aumentar os lugares do Partido Conservador no Parlamento e legitimar o poder. Uma vitória dar-lhe-ia sobretudo um reforço de autoridade para conduzir as negociações para o acordo do Brexit com a União Europeia (UE).

O cenário era-lhe favorável: no dia após o anúncio uma sondagem apontava que apenas 23% dos britânicos votaria no Partido Trabalhista, liderado por Jeremy Corbyn, quase metade das intenções de voto conseguidas pelo Partido Conservador que reunia 50%, com Corbyn com uma taxa de aprovação menor do que a do seu próprio partido (14%).

No entanto, a popularidade do líder trabalhista tem subido durante a campanha enquanto a de May tem afundado.

A chefe do executivo assumiu o poder após o seu antecessor David Cameron apresentar a demissão. Ao fim de seis anos a liderar os destinos do Reino Unido, o conservador passou o testemunho a May após os resultados no referendo que ditou a saída do país do projeto de construção europeia.

À semelhança da primeira-ministra, Cameron ensaiou uma cartada política que parecia controlada. Prometeu em 2013 um referendo à permanência do Reino Unido na União Europeia até 2017, caso fosse eleito para um segundo mandato em maio de 2015. O Partido Conservador perdia terreno para o UKIP enquanto dentro do próprio partido algumas vozes eurocépticas se manifestavam.

A herança política de Cameron ficou para a história do Reino Unido e da União Europeia. O ex-primeiro-ministro britânico convocou o referendo para 23 de junho e o cenário que o ex-líder conservador não esperava, aconteceu: 52% dos britânicos votaram pelo ‘sim’.

 

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários