Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Cristina Bernardo

Em apenas seis meses, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) recebeu tantos pedidos de ajuda de pessoas viciadas no jogo, como em todo o ano de 2018. Os dados pertencem ao Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) segundo o “Diário de Notícias”.

Durante este período 108 pessoas recorreram ao SNS, sendo que 50 eram novos casos. Já no segundo trimestre deste ano 297 mil pessoas fizeram pelo menos uma aposta desportiva online e 21 mil, apesar de se encontrarem registadas não entraram nos sites.

Dados oficiais do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) referente ao primeiro semestre indica que 38.600 pessoas, pedem às várias casas de apostas para serem impedidos de jogar, num aumento de 3.200 jogadores entre janeiro a março e abril e junho de 2019.

Números que podem vir a ser alterados pelo facto de no próximo fim-de-semana ter início a temporada de alguns dos principais campeonatos europeus de futebol.

Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.
Comentários