Empresas devem facultar novas tecnologias aliadas a experiências de utilização

No atual contexto de transformação digital, as principais empresas nacionais têm feito um investimento significativo em plataformas tecnológicas para aumentar a produtividade, a colaboração e a inovação.

No entanto, observamos que muitas organizações sentem que o investimento não está a capturar os benefícios esperados. A utilização e adoção da tecnologia fica claramente abaixo do esperado por várias razões:

– A experiência do colaborador na utilização da tecnologia não é mapeada no contexto específico da sua função;

– Não existe informação e dados para avaliar a experiência do utilizador;

– Os colaboradores não conhecem a tecnologia que têm disponível na organização;

– O modelo tradicional de implementação de tecnologia focam-se no go-live;

– Não existe responsabilização nem objetivos definidos para utilização da tecnologia e valor criado;

– Não são utilizadas técnicas de marketing para promover a utilização/adoção de tecnologia;

– A comunicação é formal e não permite um foco no engagement do consumidor/utilizador interno, não inspirando os colaboradores para experimentar e utilizar a tecnologia;

– A formação foca-se em como utilizar e não nos benefícios que o colaborador pode ter ao integrar a tecnologia no seu dia-a-dia;

– O sucesso não é celebrado nem partilhado. A organização não conhece os novos modelos de trabalho e as success stories na utilização da tecnologia.

Os programas que estão a ter sucesso na implementação de ferramentas colaborativas com impacto na eficiência, inovação, trabalho em equipa e, indiretamente, na experiência do cliente têm os seguintes pontos em comum:

– Uma alteração do foco para ativação tecnológica em vez da simples implementação;

– Utilização de insights e técnicas de marketing, design, alteração de comportamentos e analytics.

– Partem de uma compreensão detalhada das necessidades dos colaboradores, com envolvimento e engagement na definição conjunta das suas necessidades, colocando o colaborador no centro do processo.

Os modelos convencionais para adoção de tecnologia normalmente utilizam uma abordagem top-down para gerir a mudança, recorrem a comunicações por e-mail e webinars de formação. Hoje em dia, estas abordagens são menos eficazes pois os colaboradores têm um mindset de consumidores digitais que gostariam de ter tecnologia no trabalho como têm na sua vida pessoal – fácil de utilizar, personalizar e disponível em qualquer plataforma.

Se as empresas fazem o deployment de novas tecnologias de forma convencional sem ativar e gerir a experiência de utilização, a adoção tende a ser menor e o retorno do investimento fica comprometido.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, newsletters, estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Vídeos sapo

vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo

O “novo” regime de dedução de gastos de financiamento líquidos – questões práticas

O regime de dedução de gastos de financiamento líquidos (“GFL”), em traços gerais, limita a dedução daqueles gastos para efeitos do apuramento do lucro tributável, em sede de IRC, até ao maior de dois patamares: Euro 1.000.000 ou 30% do resultado antes de depreciações, amortizações, GFL e impostos, ajustado para efeitos fiscais (“EBITDA fiscal”). A […]

Fatores que contribuem para o sucesso de uma transação

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos […]
Comentários