Empréstimos às famílias e empresas continuaram a cair em abril

O crédito à habitação concedido por bancos a sociedades não financeiras e a particulares registou uma variação anual de -2,2% e -2,6%, respetivamente. No entanto, a descida foi menor que no mês anterior.

O montante emprestado pelos bancos portugueses às famílias e às empresas voltou a cair em abril, de acordo com os dados do Banco de Portugal divulgados esta quarta-feira. Apesar de manter a tendência, a descida foi menos acentuada do que no mês anterior.

O crédito à habitação concedido por bancos a sociedades não financeiras e a particulares apresentou taxas de variação anual negativas, que se situaram em -2,2% e -2,6%, respetivamente. Os valores ficaram ligeiramente acima dos -2,3% e -2,7% registados em março.

Para o conjunto da área do euro, as taxas de variação anuais nos empréstimos a sociedades não financeiras e a particulares (habitação) foram de 1,6% e 3,0%, respetivamente. Os valor comparam com 1,7% e 2,9% observados em março.

No que diz respeito aos depósitos de particulares nos bancos residentes totalizavam 138 mil milhões de euros no final de abril de 2017, o que significa uma taxa de variação anual de -1,2%. Em março, a taxa tinha ficado em -0,4%.

“A evolução nos depósitos de particulares foi influenciada por aplicações em outros instrumentos de poupança, nomeadamente pela subscrição em abril de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), destinadas a investidores de retalho”, refere o comunicado do Banco de Portugal.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários