Energia: Gigantes europeus procuram soluções portuguesas

PME portuguesas, desafiadas pelo INESC TEC e pela EDP Distribuição, têm a oportunidade de apresentar as suas soluções tecnológicas ao mundo.

Para aproximar as PME nacionais das grandes empresas europeias a atuar no mercado da energia, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e a EDP Distribuição acabam de lançar um concurso, agendado para o próximo dia 27 de junho, em Lisboa, que se insere numa série de atividades promovidas pela Comissão Europeia, designada “Energy Days” eventos que se realizam durante maio e junho e que têm como objetivo mostrar aos cidadãos e à indústria a importância de uma energia sustentável.

O concurso dedica-se a três áreas específicas: carregamento de veículos elétricos e gestão de frotas; tecnologias para redes elétricas inteligentes; e energias renováveis, e desafia as Pequenas e Médias Empresas (PME) portuguesas, que por muitas soluções tecnológicas que tenham nem sempre conseguem chegar aos chamados gigantes industriais, a apresentá-las a empresas como a REN, a General Electric, a SAP ou a CyberGrid, para estimular futuras parcerias empresariais.

A grande meta deste concurso, explica Ricardo Bessa, investigador sénior do Centro de Sistemas de Energia do INESC TEC, ao Jornal Económico, é oferecer às PME nacionais a oportunidade de estabelecer contactos internacionais com vista à integração em futuras candidaturas a fundos comunitários do Horizonte 2020. “Atualmente, a Comissão Europeia está a promover o mecanismo de cascading funding nos novos projetos Europeus (não é ainda uma possibilidade no projeto InteGrid), e a participação no evento poderá ajudar a identificar áreas de negócio com interesse futuro.  As empresas terão também a oportunidade de acompanhar os resultados de I&D das universidades, criando-se oportunidades para serem tomadores de tecnologia desenvolvida no projeto”, reforça ainda o responsável.

Quanto aos critérios de avaliação, elucida que será dada prioridade a candidaturas que apresentem as seguintes características: “sejam submetidas por startups, tenham potencial de inovação, e estejam enquadradas com os objetivos do projeto europeu “InteGrid”. O projeto europeu InteGrid, que, até 2020, tem ao seu dispor 15 milhões de euros para que três países europeus possam aumentar a inteligência das redes elétricas inteligentes, vai instalar cinco demonstradores de redes elétricas inteligentes, sendo que três irão localizar-se em Portugal, um na Suécia e outro na Eslovénia).

Quanto à forma como decorrerá a apresentação dos projetos, esclarece que serão atribuídos dez minutos a cada uma das empresas e, ao todo, vão ser selecionadas nove ideias, três em cada uma das áreas. As empresas podem submeter a candidatura até dia 12 de junho e, posteriormente, o consórcio do projeto InteGrid selecionará as candidaturas que vão ser apresentadas a 27 de junho.

O evento “From intelligent energy solutions to disruptive business models” vai, no entanto, começar logo de manhã. Por volta das 10h00, a EDP Distribuição apresentará o projeto europeu InteGrid e, ainda durante a manhã, haverá espaço para se falar em novos modelos de negócios para as redes elétricas inteligentes e os distribuidores de energia (Universidade de Comillas, Espanha), para se fazer uma análise à energia para redes elétricas inteligentes e à gestão de energia (INESC TEC, Portugal), e ainda para se discutir o envolvimento dos consumidores e a resposta ao incentivo comportamental (KTH, Suécia). Também vão ser feitas demonstrações ao vivo de ferramentas desenvolvidas pela General Electric, CyberGrid, SAP, INESC TEC e Águas do Tejo Atlântico, no âmbito do projeto InteGrid. O keynotespeaker é Jorge Vasconcelos da NEWES (New Energy Solutions) e a sessão tem início às 14h00. Logo a seguir, há lugar para discussão por parte da REN, Labelec, Associação Portuguesa de grandes consumidores de energia e da ERSE, um debate que vai ser moderado pela EDP Distribuição. Os pitchs por parte das PME encerram a sessão.

Ler mais
Recomendadas

Especialistas defendem aprovação da requisição civil pelo Governo antes da greve dos motoristas

Por o setor dos combustíveis ser transversal a muitos setores económicos, especialista em legislação laboral defendem que o Governo pode avançar para a requisição civil antes da greve, tal como aconteceu na TAP em 2014.

Como sobreviver à greve dos motoristas de combustível? Siga estas 5 dicas

Consulte o manual de sobrevivência elaborado pela Deco para a greve dos motoristas dos combustíveis.

Greve dos camionistas: AIP apela aos “bens superiores” da Constituição para travar a paralisação

A associação presidida por José Eduardo Carvalho alerta o Governo para que os serviços mínimos para minorar os efeitos desta paralisação abranjam as indústrias transformadoras que fiquem condicionadas pela falta de abastecimento de combustíveis como o gás natural, gás propano liquefeito (GPL), azoto líquido e oxigénio.
Comentários