Escutas telefónicas comprometeram Hermínio Loureiro e Isidro Figueiredo

Os contactos terão tido início em março do ano passado e mostraram ilegalidades em concursos públicos e ajustes diretos de obras.

O ex-presidente da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis e da Liga de Futebol Profissional, Hermínio Loureiro, o atual presidente da mesma autarquia, Isidro Figueiredo, e os restantes detidos na segunda-feira (19) na “Ajuste Secreto” foram incriminados em escutas telefónicas, escreve o Correio da Manhã.

Ao que o CM apurou, os contactos tiveram início em março do ano passado e mostraram ilegalidades em concursos públicos e ajustes diretos de obras. Uma dessas escutas envolve o empreiteiro António Reis e revela aquilo que o Ministério Público (MP) acredita serem luvas de 2500 euros recebidas por Isidro Figueiredo.

A detenção deveu-se a suspeitas de corrupção ativa e passiva, tráfico de influências, prevaricação e peculato e aconteceu no seguimento de 31 buscas realizadas pela Polícia Judiciária do Porto a cinco câmaras municipais e a cinco clubes de futebol. No total, sete pessoas foram detidas por suspeitas de corrupção ativa, no âmbito da operação dirigida pelo Ministério Público de Santa Maria da Feira.

“A investigação permitiu até ao momento a obtenção de fortes indícios da existência de relações privilegiadas entre os suspeitos que, ao longo do último ano, têm visado a realização de diversas obras em diferentes localidades, manipulando as regras de contratação pública”, explicou a Polícia Judiciária (PJ) em comunicado.

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários