Estado da Nação: PSD diz que ‘geringonça’ está a desmantelar-se e acusa Governo de “mutilar SNS”

A primeira intervenção do PSD no debate do estado da Nação na Assembleia da República coube, não ao líder parlamentar, mas ao vice-presidente da bancada Adão Silva.

O PSD acusou esta sexta-feira o Governo de “mutilar” o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e considerou que, na reta final da legislatura, a atual solução governativa está em “exercício de desmantelamento”, com os parceiros “aos encontrões”.

A primeira intervenção do PSD no debate do estado da Nação na Assembleia da República coube, não ao líder parlamentar, mas ao vice-presidente da bancada Adão Silva, que se centrou quase exclusivamente na área da saúde e acusou António Costa de não falar “para o país real, para as pessoas reais”.

“Acho estranho que não ache que falamos de pessoas quando falo das 80 mil pessoas que saíram da pobreza desde que deixaram o Governo, estranho que não perceba que falamos de pessoas quando falamos dos 300 mil novos postos de trabalho criados”, respondeu o primeiro-ministro, António Costa, acrescentando que “também são pessoas” os novos 7.900 profissionais contratados para o setor da saúde pelo atual Governo.

Adão Silva confrontou Costa com uma descida de 52 milhões de euros de investimento na área da saúde entre 2015 e 2017, mas o primeiro-ministro respondeu com a queda da despesa do Estado com saúde de 6,9 para 5,9 do Produto Interno Bruto (PIB) entre 2011 e 2015, anos do executivo PSD/CDS-PP.

Desafiado a concretizar se o Governo vai avançar com a transferência do Infarmed para o Porto – cuja forma de anúncio o primeiro-ministro chegou a classificar de “inábil”, António Costa respondeu que essa continua a ser a intenção do Governo.

“É nossa intenção que o Infarmed seja mudado para o Porto, as condições da mudança foram avaliadas num relatório, quando tivermos a análise concluída, sem leviandade, tomaremos a decisão final, que, desejo, possa confirmar a nossa intenção”, afirmou.

Na área da Saúde, Adão Silva aludiu aos casos da oncologia pediátrica de São João – “não brinquem com as crianças”, apelou -, bem como às recentes demissões no São José e na Maternidade Alfredo da Costa e à passagem das 40 para as 35 horas neste setor.

“Nós não vivemos o benefício do milagre, vivemos um Governo que está a fazer um esforço para recuperar do brutal desinvestimento que durante os quatros anos sofreu o SNS”, respondeu António Costa, aludindo à anterior governação PSD/CDS-PP.

“Há uma coisa que os portugueses sabem: com os governos do PS criou-se o SNS e melhorou-se a saúde e com este Governo acontecerá exatamente o mesmo”, acrescentou.

Na sua intervenção, o vice-presidente da bancada do PSD aludiu também, de forma breve, à questão dos incêndios, lamentando que António Costa não tenha falado nesta tragédia que provocou mais de cem mortos no seu discurso (embora tenha falado nas reformas que o executivo está a preparar na área das florestas).

“O ano orçamental que agora termina foi mau para os portugueses, deixa os portugueses mais frágeis, mais desamparados”, considerou.

Sobre a atual situação política Adão Silva falou também de passagem, acusando a ‘geringonça’ – em que o Governo PS tem sido apoiado por posições conjuntas assinadas por BE, PCP e Verdes – de estar “em exercício de desmantelamento”.

“Antes eram as reversões e todo o contentamento estava aí, mas agora, embora se esforce por motivá-los, já lá não vai. Os senhores estão aos encontrões uns com os outros, como se vai ver no debate e isso não é bom para o país”, criticou.

Ler mais
Relacionadas

Costa promete promete maior orçamento de sempre para a cultura e mais dinheiro para investigação

“O próximo OE incluirá um programa de forte estímulo fiscal e de apoio à mobilidade familiar no acesso à habitação e à educação para promover o regresso de emigrantes, especialmente dos jovens que se viram forçados a deixar o país nos anos de forte crise económica”, declarou António Costa.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários