‘Eurobonds’ permitiriam poupança de 900 milhões por ano

Os autores do estudo estimam que as poupanças para a República seriam de 0,5% do PIB, ou seja, na ordem dos 900 milhões de euros, assumindo que as condições de financiamento do país se mantém e que o financiamento do futuro tesouro europeu será feito em condições semelhantes às do ESM.

A Plataforma para o Crescimento Sustentável (PCS), que hoje apresentou um estudo sobre a sustentabilidade da dívida pública portuguesa, considera que a solução mais justa para a questão da dívida portuguesa seria a criação de “eurobonds”, que permitiriam uma poupança anual na ordem dos 900 milhões de euros. Mas este cenário apenas será possível se Portugal cumprir as regras europeias e se for criada uma verdadeira união orçamental na zona euro, defende o grupo de economistas liderado por Joaquim Miranda Sarmento.

“Ao nível das soluções europeias, esta parece ser não só a melhor opção, mas também a mais justa para Portugal e para todos os países da área do euro. Estando concluída a construção do fiscal compact e a definição de um maior controlo, por parte da Comissão Europeia, não só sobre a política orçamental, mas também sobre os desequilíbrios externos, está agora em falta a outra parte do “acordo”: a partilha da responsabilidade da dívida pública”, defendem.

Os economistas da PCS defendem a mutualização da dívida pública até 60% do PIB, ficando a restante dívida de fora da solução e da responsabilidade individual de cada país. “Desta forma, o risco moral para os incumpridores seria bastante inferior e em linha com as regras europeias”, explicaram.

“Para esta solução avançar, teria de ser criado um novo mecanismo/instituição: uma espécie de tesouro europeu. Alternativamente, o ESM poderia ser transformado, tendo em conta que de certa forma já cumpre parte deste papel”, acrescentaram.

Os autores do estudo estimam que as poupanças para a República seriam de 0,5% do PIB, ou seja, na ordem dos 900 milhões de euros, assumindo que as condições de financiamento do país se mantém e que o financiamento do futuro tesouro europeu será feito em condições semelhantes às do ESM.

“Para além desta poupança em juros, Portugal poderia ainda beneficiar de um aumento da maturidade média, passando dos atuais 8 anos para 12. Assim, esta solução contribuiria para melhorar a sustentabilidade da dívida sem implicar qualquer tipo de problemas ao financiamento em mercado nem perdas para investidores (nacionais ou internacionais). Finalmente, importa repetir que a melhor forma de garantir esta (ou qualquer)
solução passa sempre por cumprir os compromissos orçamentais”, defendem os autores do estudo hoje apresentado.

Ler mais
Relacionadas

Economistas propõem “solução sustentável” para a dívida portuguesa

Economistas da Plataforma de Crescimento Sustentável, liderada por Moreira da Silva, defendem que será possível reduzir a dívida pública dos actuais 130% para menos de 100% do PIB, em 10 a 15 anos, através de uma combinação de saldos primários na ordem dos 3% do PIB com um crescimento nominal acima dos 3%. E rejeitam “soluções milagrosas” para a dívida, como um ‘haircut’ que, garantem, teria consequências “calamitosas”.

Quem detém a dívida pública portuguesa?

Os investidores privados detém 174 mil milhões de euros dos 240 mil milhões de euros em dívida pública portuguesa. O sistema financeiro português – bancos e seguradoras – tem cerca de 53,5 mil milhões de euros.

“Haircut teria consequências calamitosas”

“Uma solução com ‘haircut’ não seria impossível [de fazer] mas teria custos elevadíssimos, extraordinários, para Portugal”, defendeu Joaquim Miranda Sarmento, numa conversa com jornalistas para apresentar um estudo da Plataforma para o Crescimento Sustentável sobre a dívida portuguesa.

‘Eurobonds’ permitiriam poupança de 900 milhões por ano

Os autores do estudo estimam que as poupanças para a República seriam de 0,5% do PIB, ou seja, na ordem dos 900 milhões de euros, assumindo que as condições de financiamento do país se mantém e que o financiamento do futuro tesouro europeu será feito em condições semelhantes às do ESM.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários