Eutanásia: BE defende despenalização como “escolha sobre a liberdade”

“O que faremos hoje é uma escolha sobre a liberdade”, resumiu o deputado do BE, José Manuel Pureza, no debate de hoje, na Assembleia da República, sobre os quatro projetos que visam a despenalização da morte medicamente assistida, propostos pelo BE, PAN, PS e PEV.

O Bloco de Esquerda (BE) definiu hoje como “uma escolha sobre a liberdade” o voto a favor dos projetos de lei de despenalização da eutanásia e contra a “prepotência de impor” um “modelo de fim de vida”.

“O que faremos hoje é uma escolha sobre a liberdade”, resumiu o deputado do BE, José Manuel Pureza, no debate de hoje, na Assembleia da República, em Lisboa, sobre os quatro projetos acerca da morte medicamente assistida do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), BE, PS e PEV.

Para José Manuel Pureza, o que cada deputado vai decidir é “se se deixa tolher pelo medo” ou se “assume a responsabilidade” de votar uma lei “equilibrada, razoável e prudente” que respeite a decisão de cada pessoa.

Trata-se de escolher, afirmou, entre a “prepotência de impor a todos um modelo de fim de vida que é uma violência insuportável para muitos” ou se vota pela tolerância de não obrigar seja quem for a permitir ajudar a antecipar a morte àqueles para quem a continuação da vida e agonia se torna uma tortura”.

E é também, segundo Pureza, uma “escolha pela igualdade” para dar as mesmas oportunidades de cumprir a sua vontade de antecipar a morte e não dar esse privilégio apenas aos ricos, que podem ir à Suíça.

José Manuel Pureza respondeu ainda às críticas dos que se opõem à eutanásia, “arautos do medo”, garantindo que as leis hoje em discussão têm mecanismos de controlo para impedir que seja adotada a morte assistida para situação não previstas na legislação.

Pureza sublinhou que nos últimos meses houve um debate “particularmente intenso”, em resposta aos críticos dos diplomas, citando o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando disse que foi um “debate muito participado por todos os quadrantes político-partidários, religiosos e sociais”.

O deputado bloquista lembrou, logo no início do discurso, “a luta” e a memória da filósofa e professora universitária Laura Ferreira dos Santos e do médico João Ribeiro Santos, entretanto falecidos, dinamizadores da petição a favor da descriminalização da eutanásia de 2016 que deu origem, depois, a este debate.

Ler mais
Relacionadas

Bacelar de Vasconcelos: “Qualquer que seja o resultado da votação, a eutanásia continuará a ser um crime previsto e punido”

“Não queremos que o Estado se substitua à consciência de ninguém”, assegura o deputado Pedro Bacelar de Vasconcelos, um dos subscritores do projeto de lei do PS que visa assegurar a despenalização da morte assistida. “O único sentido da vida humana é apenas aquele que cada um de nós, em consciência, lhe quiser atribuir”, concluiu, depois de citar Fernando Pessoa.

André Silva do PAN: “Impedir a antecipação voluntária da morte é impedir um ato de altruísmo”

“Agora é o tempo de os deputados assumirem as suas responsabilidades. Quem hoje defende que a discussão continua por fazer, apenas está a esconder o seu verdadeiro objetivo: o de impedir que deixe de ser punível, com pena de prisão, o ato de ajudar a morrer um doente terminal envolvido no maior sofrimento”, criticou o deputado do PAN.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários