Eutanásia: PEV diz que despenalização não retira um cêntimo ao investimento em cuidados paliativos

O PEV afirmou hoje que o seu projeto de lei sobre a eutanásia em nada contribui para desresponsabilizar o Estado relativamente à garantia de cuidados paliativos. “Não é a despenalização da morte medicamente assistida, a pedido do doente e em casos extremos, que vai retirar um cêntimo que seja ao investimento nos cuidados paliativos”, afirmou a deputada Heloísa Apolónia, no plenário da Assembleia da República.

O PEV afirmou hoje que o seu projeto de lei sobre a eutanásia em nada contribui para desresponsabilizar o Estado relativamente à garantia de cuidados paliativos.

“Não é a despenalização da morte medicamente assistida, a pedido do doente e em casos extremos, que vai retirar um cêntimo que seja ao investimento nos cuidados paliativos”, afirmou a deputada Heloísa Apolónia, no plenário da Assembleia da República.

A deputada do Partido Ecologista Os Verdes admitiu que o debate sobre a despenalização da eutanásia não é fácil, nem objetivo e que mexe com valores enraizados na sociedade, mas disse que o partido não “baixa os braços em processos legislativos difíceis”.

“Há sempre quem argumente que o que se pretende é trocar os cuidados paliativos pela morte medicamente assistida e que se vai começar a pôr termo à vida das pessoas que estão em fase terminal de vida. Nada mais intolerável e fora do contexto da proposta”, afirmou.

A deputada sublinhou que pretende deixar claro que, “em nada, em absolutamente nada”, o projeto do PEV contribui “para reduzir, aligeirar ou desresponsabilizar o Estado relativamente ao seu dever de garantir o acesso dos doentes aos cuidados paliativos”.

Do que se trata no projeto do PEV, defendeu, é de permitir que uma pessoa “decida o que fazer do fim da sua vida”.

“Não é o Estado que deve decidir por ela, é a própria pessoa que deve decidir, desde que garantidos determinados pressupostos, levando a que seja respeitada a sua vontade capaz, expressa e instante”, continuou Heloísa Apolónia.

O PCP, que costuma concorrer às eleições coligado com o PEV, já anunciou que irá votar contra a despenalização da eutanásia.

A Assembleia da República está hoje a discutir os projetos de lei do PAN, BE, PS e PEV sobre a despenalização da morte medicamente assistida, sendo que a votação será feita deputado a deputado e tem ainda resultado imprevisível.

Todos os diplomas preveem que só podem pedir, através de um médico, a morte medicamente assistida pessoas maiores de 18 anos, sem problemas ou doenças mentais, em situação de sofrimento e com doença incurável, sendo necessário confirmar várias vezes essa vontade.

Ler mais
Relacionadas

Isabel Galriça Neto diz que “em matéria de homicídio a pedido, o CDS tem uma posição clara: somos contra a eutanásia”

“Defendemos a proteção da vida e a promoção da dignidade e da liberdade, de que não temos medo”, argumentou a deputada do CDS, no debate parlamentar desta terça-feira sobre a despenalização da eutanásia.

Maria Antónia de Almeida Santos: “A Constituição define a vida como direito inviolável, mas não como dever irrenunciável”

“Legislar sobre em que condições a eutanásia não é punível, é atender ao pedido de antecipação da morte por decisão da própria pessoa doente, em situação de sofrimento extremo, com lesão definitiva ou doença incurável e fatal, quando obviamente praticada ou ajudada por profissionais de saúde”, explicou a deputada socialista

André Silva do PAN: “Impedir a antecipação voluntária da morte é impedir um ato de altruísmo”

“Agora é o tempo de os deputados assumirem as suas responsabilidades. Quem hoje defende que a discussão continua por fazer, apenas está a esconder o seu verdadeiro objetivo: o de impedir que deixe de ser punível, com pena de prisão, o ato de ajudar a morrer um doente terminal envolvido no maior sofrimento”, criticou o deputado do PAN.

Respostas Rápidas: o que vão decidir os deputados sobre a eutanásia?

Os partidos votam esta terça-feira a eventual despenalização da prática da eutanásia e a incerteza sobre o resultado no plenário é enorme, Para os especialistas, a questão é, em termos políticos, semelhante ao aborto: de recusa em recusa, até à aceitação final.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários