“Existe espaço para um maior crescimento do comércio entre Portugal e Brasil”

Carlos Moura, director da Aicep – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, no Brasil desde Abril 2012, diz que são cada vez mais as pequenas e médias empresas (PME) a pedirem apoio naquele país. Segundo aquele responsável, a Aicep Brasil “orienta-as no caminho que entende ser o mais correto, como, por exemplo, […]

Carlos Moura, director da Aicep – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, no Brasil desde Abril 2012, diz que são cada vez mais as pequenas e médias empresas (PME) a pedirem apoio naquele país.

Segundo aquele responsável, a Aicep Brasil “orienta-as no caminho que entende ser o mais correto, como, por exemplo, na abertura de uma empresa no Brasil e na escolha de parceiros de negócio”.

Carlos Moura, também conselheiro económico e comercial junto da Embaixada de Portugal no Brasil, é um dos oradores do fórum internacional Investe Nordeste, um evento empresarial destinado a investidores que queiram entrar no mercado nordestino brasileiro, do qual o OJE é media partner. O fórum terá lugar no Centro de Convenções do Recife, no estado de Pernambuco, nos dias 25 e 26 de Novembro.

O principal objetivo do Investe Nordeste, é ajudar a criar uma atmosfera favorável para investidores internacionais interagirem melhor com altos executivos nacionais e entidades governamentais brasileiras. A expetativa é que sejam formalizadas parcerias/sinergias com entidades nacionais e internacionais que tenham interesse em investir no Nordeste brasileiro e também assinado um número significativo de protocolos de entendimento entre as partes presentes.

Mais informações estão disponíveis no endereço http://investenordeste.com.br.

 

Como tem corrido a atividade da Aicep no Brasil?

A atividade da Aicep no Brasil nos últimos dois anos, tem sido intensa e muito dinâmica.

O que têm feito para ajudar as empresas portuguesas?

Toda a atividade da Aicep tem-se centrado no apoio às empresas portuguesas. Esta ajuda vai desde a disponibilização de informação de mercado (geral e setorial) e regulamentar, na conceção de ações de promoção, no estabelecimento de parcerias entre empresas portuguesas e brasileiras, na indicação de potenciais compradores para bens e serviços portugueses e na disponibilização de contatos essenciais no mercado – políticos e empresariais.

Empresários contatados pelo OJE dizem que a relação com a Aicep melhorou muito nos últimos quatro anos, que agora já podem “bater à porta” da Aicep no estrangeiro e que são atendidos e ajudados. Tem tido muitos pedidos de apoio?

As solicitações das empresas portuguesas à Aicep no Brasil têm sido muito numerosas e diversificadas.

Pode exemplificar alguns e de que forma a Aicep Brasil ajudou esses empresários?

Muitas pequenas e médias empresas (PME) portuguesas que decidem vir para o mercado brasileiro e ainda têm pouco conhecimento do mesmo dirigem-se à Aicep Brasil e esta orienta-as no caminho que entende ser o mais correto, como, por exemplo, na abertura de uma empresa no Brasil e na escolha de parceiros de negócio. Outras aproximam-se da Aicep solicitando informação sobre potenciais compradores, como, por exemplo, autoridades locais para compra de sistemas de tecnologias de informação. Outras, nos processos de certificação e registo junto das autoridades estaduais e federais, etc.

A Aicep Brasil tem em preparação, ou prestes a lançar, alguma nova forma de apoio aos nossos empresários?

Este apoio aos empresários é contínuo.

Quais os setores de atividade que mais pedem apoio à Aicep no Brasil?

Empresas do setor alimentar e vinhos, bens industriais, tecnologias de informação e comunicação (TIC) e serviços.

O que pensa do peso das relações comerciais entre o Brasil e Portugal?

Existe espaço para um maior crescimento do comércio entre os dois países, em especial no que se refere às exportações portuguesas de bens e serviços para o Brasil.

Há espaço para aumentar essas relações?

Sim

Porquê?

Porque o mercado do Brasil é muito vasto, tem muito potencial de compra e Portugal de venda.

O fazer para as aumentar?

Mostrar que os produtos e serviços portugueses são de primeira qualidade a preços competitivos face aos nossos concorrentes.

O que é preciso fazer para aumentar as trocas comerciais entre os dois países e quais os produtos e serviços que terão maior probabilidade em que isso aconteça?

Aumentar o investimento no mercado em termos de promoção, em termos empresariais e em termos políticos.

Como orador no Fórum Investe Nordeste, que conselhos daria aos empresários que queiram investir no Brasil?

Sendo um mercado para profissionais, uma grande preparação é essencial.

E mais propriamente no Nordeste brasileiro?

Trata-se de um mercado com amplo potencial onde a escolha do parceiro certo é decisiva para o negócio correr bem

Quais as vantagens e as desvantagens da região para os empresários? É preferível avançar para as trocas comerciais ou entrar fisicamente no mercado brasileiro?

Depende do tipo de empresa, de negócio, de produto, de serviço e da experiência internacional.

Por Carlos Caldeira

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.