Farmacêutica Takeda premeia com 4.000 euros universitário que melhore a vida de doentes

A empresa japonesa lançou em maio o programa de aceleração Life Enablers. Em entrevista ao Jornal Económico, Nuno Carvalho, ‘customer solutions manager’ da Takeda em Portugal e responsável pelo projeto, afirma que as ideias apresentadas pelos jovens incide sobre mais do que uma patologia, o que se torna mais promissor, na sua opinião.

A farmacêutica japonesa Takeda está a estudar a composição de um ‘medicamento’ diferente: o estudante universitário mais inovador na melhoria da vida dos doentes e das suas famílias, criando pontes que unam os diferentes intervenientes aquando de um diagnóstico de mieloma múltiplo, linfoma de Hodgkin, doença inflamatória intestinal, cancro do pulmão ou fístulas perianais.

Em meados de maio esta multinacional anunciou o lançamento de uma competição dirigida a todos os alunos das faculdades portuguesas e destinada a promover práticas de saúde pública através da partilha de informação e criação de oportunidades de networking entre empreendedores, stakeholders, doentes, famílias e comunidade médica. Trata-se do Life Enablers, um programa de aceleração no qual se inscreveram 55 equipas multidisciplinares [Saúde, Engenharia, Comunicação, Marketing, Sociologia…] e que conta com o apoio da Spark enquanto parceiro e intermediário com a academia.

Em entrevista ao Jornal Económico, Nuno Carvalho, customer solutions manager da Takeda Pharmaceuticals em Portugal, afirma que “a imaginação é o limite” e que o desafio visa que quatro colegas utilizem a criatividade para resolver “problemas verdadeiramente importantes”. “Além de um prémio financeiro de 4.000 euros [através de uma bolsa de investigação], para incentivar a implementação do projeto, terão a oportunidade de contactar com stakeholders relevantes na sua carreira”, explica responsável pela iniciativa.

Nuno Carvalho acredita que se vive atualmente uma “fase de transformação na área da saúde, fruto das novas tecnologias digitais”. A seu ver, o setor farmacêutico, onde se inclui a Takeda, têm o dever de “contribuir ativamente com conhecimento” e de “estimular o empreendedorismo e as novas ideias, permitindo que soluções originais possam ter o máximo impacto na saúde dos cidadãos”.

O bootcamp do programa Life Enablers, que vai juntar cerca de 55 empreendedores, realiza-se já este sábado, dia 21 de julho, entre as 10:00 e as 18:00, na Fábrica Braço de Prata. De acordo com o porta-voz da farmacêutica, a maioria das ideias por eles apresentadas incide sobre mais do que uma patologia, o que se torna mais “interessante” e “promissor”. “Também constatámos diversidade no estado de maturação dos projetos, sendo que existem equipas já com protótipos desenvolvidos e até que já lançaram um produto ou serviço”, acrescentou, em declarações ao semanário.

Os jovens fazem parte das 19 equipas selecionadas esta fase do programa, que irá incluir também um período de Growth Hacking (processo de desenvolvimento acelerado de negócios) e outro de Mentoring, que antecede a competição final, no próximo mês de outubro. “Lidar com patologias complexas e intervir eficazmente na vida dos doentes pode assumir múltiplas formas e focos de intervenção. Os únicos limites para as ideias apresentadas são a criatividade e o engenho das equipas a concurso”, realça ainda Nuno Carvalho.

Ler mais
Recomendadas

“Dietas milagrosas” contrariam forma saudável de perder peso, alerta Deco

Para perder peso e manter a saúde, a dieta deve ser variada, eliminar os alimentos hipercalóricos, contemplar nunca menos de 1200 quilocalorias diárias (no caso das mulheres) e 1500 quilocalorias (no caso dos homens).

Gastos irregulares de cinco hospitais públicos sob suspeita

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde realizou auditorias a cinco hospitais públicos e encontrou gastos irregulares no valor de 23,5 milhões de euros. 

Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.
Comentários