Fatores que contribuem para o sucesso de uma transação

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos […]

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos aspetos que podem ser determinantes para o sucesso de um processo de M&A:

1) Preparação da transação – A definição da estratégia de saída e a preparação do ativo para a venda garantem, geralmente, uma maximização do valor para o acionista. Esta preparação regra geral envolve: compreensão das perspetivas e histórico de M&A do setor; alinhamento das expetativas de preço; estrutura da transação; identificação de potenciais investidores, etc.

2) Implicações futuras após transação – Importa conhecer as implicações que podem resultar num processo de M&A, sejam elas fiscais (ex: apuramento das mais-valias), legais (ex: contingências), comerciais (ex: cláusulas de não concorrência), ou outras. Estas implicações podem, quando desconhecidas, invalidar negócios em fases avançadas de análise/negociação, resultando em impactos negativos e desnecessários (financeiros, reputacionais, etc.).

3) Mecanismos de ajuste ao preço – Na primeira fase de negociação (Oferta Não Vinculativa), existe um pré-acordo relativamente ao valor da transação. No entanto ainda estão por realizar diligências necessárias até ao fecho da mesma (i.e. due diligence). Assim, é fundamental que sejam definidos e compreendidos os ajustamentos ao preço que poderão resultar após due diligence. Para isso, a experiência passada dos interlocutores e o grau de profissionalização da operação tornam-se importantes para clarificar o entendimento das ofertas e os pressupostos associados.

4) Experiência em negociação – Nesta fase, a presença de especialistas com experiência pode ser um elemento facilitador. É frequente que os processos de negociação sejam liderados por uma equipa de profissionais de M&A (assessores) e a condução das negociações por parte destas equipas permite um menor desgaste relacional entre as partes e tende a assegurar uma maximização do valor da transação.
Em resumo, consideramos que quanto maior é a preparação e o conhecimento das partes relativamente a um processo de M&A, e quanto menores as assimetrias de informação entre as partes, maior é a probabilidade de sucesso.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, newsletters, estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Vídeos sapo

vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo

O “novo” regime de dedução de gastos de financiamento líquidos – questões práticas

O regime de dedução de gastos de financiamento líquidos (“GFL”), em traços gerais, limita a dedução daqueles gastos para efeitos do apuramento do lucro tributável, em sede de IRC, até ao maior de dois patamares: Euro 1.000.000 ou 30% do resultado antes de depreciações, amortizações, GFL e impostos, ajustado para efeitos fiscais (“EBITDA fiscal”). A […]

Garantia de receita na era digital

Em plena era digital onde existe todo um buzz à volta da transformação e da disrupção, as empresas, movidas pela pressão de inovar de forma rápida, seja com o objetivo de se diferenciar ou de acompanhar o mercado, introduzem alterações impactantes nos seus modelos de negócio. Estão as empresas conscientes e preparadas para gerir os […]
Comentários