Faturação da Ervideira superou um milhão de euros no primeiro semestre de 2018

Por detrás deste crescimento estará a reafirmação dos vinhos topo de gama Conde D’Ervideira, Vinho da Água, Invisível e Vinha D’Ervideira no mercado, bem como o contínuo desenvolvimento das três Ervideira Wine Shops, realça um comunicado da produtora vitivinícola.

A produtora alentejana de vinhos Ervideira ultrapassou um milhão de euros de faturação no primeiro semestre de 2018, o que representou um crescimento de 8% face ao período homólogo de 2017.

O crescimento na faturação da Ervideira neste primeiro semestre é acompanhado por um decréscimo de 5% no número de garrafas vendidas, o que reflete o resultado da estratégia da produtora em apostar nos seus vinhos topo de gama, e da preferência do consumidor por produtos com elevada qualidade.

Se a tendência dos anos anteriores se mantiver, a produtora espera atingir os 2,4 milhões de euros [de faturação] no final do ano.

Por detrás deste crescimento estará a reafirmação dos vinhos topo de gama Conde D’Ervideira, Vinho da Água, Invisível e Vinha D’Ervideira no mercado, bem como o contínuo desenvolvimento das três Ervideira Wine Shops, realça um comunicado da produtora vitivinícola.

“O sucesso da produtora continua a ser também marcado pelo seu investimento nas Ervideira Wine Shop, as lojas próprias da marca. Este semestre, a faturação nas Lojas da Adega, Évora e Reguengos de Monsaraz aumentou em 12% face ao semestre anterior, crescimento que se deve à aposta na construção do Ervideira Wine Lounge, junto da adega, e cujos resultados estão já a surgir”, destaca o mesmo comunicado.

Duarte Leal da Costa, diretor executivo e sócio maioritário da Ervideira, afirma que “se da análise dos resultados líquidos operacionais em 2017, a Ervideira ficou colocada entre as melhores PME Agrícolas de Portugal, o crescimento que registámos neste primeiro semestre vem precisamente reafirmar esta posição entre as melhores do setor”.

“Estamos extremamente satisfeitos com os resultados, mas também conscientes das expetativas e responsabilidade que acarretam para a empresa e os seus colaboradores no futuro. O que podemos desde já prometer é que continuaremos a oferecer aos nossos clientes e visitantes o melhor serviço e produtos possíveis, bem como criar experiências e momentos únicos”, garante aquele responsável.

Ainda para este ano, a Ervideira promete o lançamento de novos produtos, tais como o Espumante da Água, que será o primeiro espumante do mundo com a segunda fermentação em profundidade, sobe a pressão de quatro bares.

“As condições inéditas da sua produção resultam num espumante excecionalmente elegante, que a produtora promete estar entre os melhores do mundo”, assegura o referido comunicado.

Será também lançado este semestre o primeiro vinho de agricultura biológica da Ervideira, pelo nome de ‘Ervideira Bio-Nature’.

“Com esta nova referência, a empresa pretende posicionar-se no segmento dos vinhos de agricultura biológica, de categoria ‘premium’, onde acredita haver muito espaço para crescer”, adianta o referido comunicado, acrescentando que “a inovação é um dos principais estandartes da Ervideira, sendo já conhecida pelo seu vinho branco produzido a partir de uvas tintas – o Vinho Invisível -, e várias referências de vinhos estagiados nas profundidades do Alqueva – a gama Vinho da Água”.

A Ervideira produz vinho desde 1880, possuindo um total de 160 hectares de vinha, distribuídos pelas sub-regiões da Vidigueira (130 hectares) e Reguengos (30 hectares).

Entre os seus vinhos, estão marcas como Conde D’Ervideira, Invisível, Vinha D’Ervideira, Terras D’ervideira e Lusitano.

Ler mais
Recomendadas

Governo disponibiliza 600 mil euros para apoiar agricultores de Mação, Vila de Rei e Sertã

Esta decisão decorre da publicação, hoje, em Diário da República, de um despacho que reconhece este incêndio como “catástrofe natural”.

Governo abre concurso para contratar mais 200 sapadores florestais

A constituição destas novas 40 equipas envolve um montante de 2,6 milhões de euros, financiado pelo Fundo Florestal Permanente (FFP).

Indústria do tomate estima prejuízo diário de 4 milhões de euros com greve dos motoristas

Tendo em conta que a apanha do tomate decorre entre agosto e setembro e que este é um fruto de curta duração, os produtores estão “muito alarmados com a situação”, referiu o presidente da Associação dos Industriais de Tomate.
Comentários