Fenprof admite desconvocar greve

“Ouvimos com agrado a disponibilidade do Governo”, afirmou Mário Nogueira, esta quinta-feira.

Em declarações à SIC, esta quinta-feira, o dirigente da associação explicou que ouviram “com agrado a disponibilidade do Governo” e admite negociar até ao limite do dia 20, numa reação às palavras de António Costa na entrevista à SIC.

“Quando nós ouvimos o primeiro ministro a dizer que tem essa abertura, percebemos que já não é só o ministério da Educação a falar. Marcamos a greve para 21. Até às 23h59 do dia 20 a Fenprof estaria disponível para continuar a negociação e procurar uma plataforma mínima para que pudesse haver um entendimento no sentido de podermos não realizar a greve”, afirmou o responsável.

O organismo que representa os docentes e a Federação Nacional de Educação (FNE) confirmou a convocação de uma greve para o dia 21 de junho, depois de ter considerado que o Governo deu “respostas insuficientes” às reivindicações das estruturas sindicais. A greve dos professores irá realizar-se em dia de exames nacionais, nomeadamente Física-Química A, Geografia A e História da Cultura e das Artes. Também para esse dia estão marcadas as provas de aferição do 2º ano (Matemática e Estudo do Meio).

Nota de redação: A peça publicada às 13h47 indicava, de forma incorreta, que a Fenprof tinha reunido com o Governo quando não existiu qualquer reunião da Fenprof com o Governo, tal como esclareceu o responsável da Fenprof, Mário Nogueira. Desta forma, a reação de Mário Nogueira, tal como o próprio referiu está relacionada com uma reação do próprio solicitada pela SIC, em que Mário Nogueira reagiu às palavras que o primeiro-ministro proferiu numa entrevista.

Relacionadas

Mais de 76 mil alunos do secundário vão a exame no dia da greve

A estes estudantes do secundário somam-se ainda todos os alunos do 2º ano do básico, que no dia 21 realizam as provas de aferição de Matemática e Estudo do Meio.

Debate quinzenal: Está de volta a guerra na Educação?

O atual Governo do PS, apoiado por PCP e BE, tem beneficiado de um clima de relativa paz social. Mas nos últimos meses assistiu-se a um ressurgimento das greves. Depois dos médicos, a próxima será a dos professores, agendada para 21 de junho, dia de exames nacionais.

Serviços mínimos salvam exames em dia de greve

A alteração à Lei Geral do Trabalho, publicada a 20 de junho de 2014, estipula que “no que concerne à realização de avaliações finais, de exames ou provas de carácter nacional que tenham de se realizar na mesma data em todo o território nacional”.

Fenprof e FNE confirmam greve para 21 de junho

Paralisação está marcada para dia de exames nacionais e provas de aferição.
Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.
Comentários