Ferreira Leite desconfia da fiscalidade verde

A antiga ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, duvidou da aplicação da fiscalidade verde a um país com baixa competitividade como Portugal. “Tenho dúvidas se um país com a nossa competitividade vai mesmo aplicar a fiscalidade verde. Por algum motivo, os outros países não a aplicam”, disse a ex-governante, num encontro em Lisboa sobre o […]

A antiga ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, duvidou da aplicação da fiscalidade verde a um país com baixa competitividade como Portugal.

“Tenho dúvidas se um país com a nossa competitividade vai mesmo aplicar a fiscalidade verde. Por algum motivo, os outros países não a aplicam”, disse a ex-governante, num encontro em Lisboa sobre o Orçamento do Estado para o próximo ano.

Manuela Ferreira Leite defendeu que o objetivo de uma reforma fiscal verde é mudar os comportamentos das pessoas e que “não se pode achar que isto é para fazer à pancada”, referindo-se aos impostos cobrados aos contribuintes.

Defendendo que Portugal vai ter de “ressentir” os efeitos da fiscalidade verde em relação a outros países que não apliquem esses impostos, a ex-ministra criticou ainda o objetivo do Governo de conseguir aumentar a receita com esta fiscalidade.

Manuela Ferreira Leite destacou ainda o “claro objetivo” do Orçamento do Estado para 2015 de reduzir o défice público e usar a receita para resolver esse problema”.

“Não é o caminho certo porque não é possível resolver os problemas sem grande enfâse no crescimento económico”, disse, lembrando no entanto que o problema do crescimento económico se verifica em toda a Europa.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?