Festas no Mosteiro dos Jerónimos investigadas pelo Ministério Público

Algumas empresas cobravam pelos serviços sem encaminhar parte da receita para a Direção-Geral do Património Cultural

Mosteiro Dos Jeronimos

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) realizou uma auditoria à Troca Descobertas, uma associação que explorava espaços e atividades no Mosteiro dos Jerónimos, e percebeu que a entidade cobrava pelos serviços sem encaminhar parte da receita para a DGPC, informa o Diário de Notícias desta terça-feira.

Ao que o matutino apurou, a auditoria à gestão da diretora Isabel Almeida revelou situações que estão sob suspeitas e a ser investigadas pelo Ministério Público, como o facto de e existirem contas de email oficial dos Jerónimos destinadas às fundadoras da Troca Descobertas – ainda que não existisse uma ligação ao Estado.

Questionado sobre o assunto, o ministro da Cultura respondeu ao DN dizendo que “numa auditoria interna da DGPC a vários museus e monumentos foram detetadas irregularidades que motivaram o envio do respetivo relatório final ao Ministério Público”. “Este assunto é agora da competência do Ministério Público, não sendo, portanto, oportuno o gabinete do ministro da Cultura pronunciar-se”, acrescentou Luís Castro Mendes.

Os casos de incumprimento a que o governante se refere tiveram que ver também com o pagamento feito à World Monuments Fund por parte de algumas empresas que promoveram eventos nos espaços do Mosteiro do Jerónimos, montante que seria superior àquele que deveria ser pago à DGPC.

Relacionadas

Ministro da Justiça de Angola “estupefacto e incrédulo” com Ministério Público português

O Ministério Público enviou para o Tribunal de Instrução Criminal o caso “Operação Fizz”, apesar de o vice-presidente angolano, Manuel Vicente, não ter sido ainda notificado da acusação. Rui Mangueira afirma que há “situações que demonstram um certo desrespeito pelas nossas autoridades judiciárias”.

Ministério Público do Brasil pede prisão efetiva para Lula da Silva

O ex-Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, é acusado pelo crime de corrupção passiva qualificada no âmbito do ‘caso triplex’, segundo documentos do processo citados pela imprensa brasileira
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários