Final da ‘Champions’: “Que o Liverpool marque cinco e o Ronaldo quatro”. A antevisão do ‘red’ André Pipa

Seja qual for o resultado final, há uma garantia para a final de hoje, no entender do jornalista do jornal “A Bola” e adepto confesso da equipa inglesa: “ninguém se aborrece a ver o Liverpool”. A final de Kiev pode ser épica.

O que podemos esperar do Liverpool em Kiev?

Sou um optimista, torço sempre pelo Liverpool, mas reconheço que o Real parte obviamente como favorito. É um clube mais experiente, tem muito mais know-how, é a melhor equipa da Europa. Pode ganhar a terceira (Liga dos Campeões) consecutiva, a quarta em cinco anos. Tudo isto num formato tão difícil como a ‘Champions’, e isto explica a força e a qualidade desta equipa.

É preciso lembrar uma coisa: o Real Madrid e o Liverpool têm as mesmas semelhanças em defeitos e virtudes. Defendem ambos mal, não há outra maneira de o dizer, não estão particularmente bem servidos na baliza, julgo que os dois mereciam melhor. No meio-campo, o Real é superior, é mais sofisticado, embora o meio-campo do Liverpool seja de uma dimensão física brutal, com “três armários” em movimento, que não vão dar o mínimo descanso ao Real.

No ataque, as coisas estão equilibradas. O Liverpool chega a esta final com 46 golos marcados, 31 deles daquele “tridente mágico”, Salah, Firmino e Mané, mas a verdade é que o ataque do Real Madrid, com o Benzema numa fase má, o Bale a “conta-gotas”, mas a verdade é que o Liverpool não tem nenhum jogador como o (Cristiano) Ronaldo e a gente sabe o que é que o Ronaldo costuma fazer nestas grandes ocasiões.

É um jogo muito aberto como foram a maior parte dos jogos deste ano e que possa terminar com um resultado 5-3, 4-3, 5-4 e que o Salah tente anular o Ronaldo, ou fazer com o Real, o que fez com a Roma, por exemplo. Vai ser um dos duelos mais interessantes desta final, com o Marcelo que é um defesa que pouco defende.

A minha esperança é essa. O Liverpool sempre foi um clube muito vocacionado para o drama, para os excessos, para a ética. O Liverpool nunca nos aborrece há sempre qualquer coisa de especial. Para bem e para o mal são incapazes de ser invulgares. Houve aquela tragédia do Heysel, a final épica com o AC Milan a perderem 3-0, ainda conseguiram ganhar, a final da Liga Europa, em Dortmund ganha contra o Alavés 5-4 no prolongamento.

É uma equipa muito especial e que não tem medo do Real Madrid. O Liverpool tem esse orgulho de ser o representante de melhor equipa inglesa na Europa e que não teme ninguém. Pode ser uma desgraça para o Liverpool, se o Real Madrid jogar afinadinho como sabe e pode fazer valer o capital de maior experiência.

Dei-me ao trabalho de contar neste plantel do Real Madrid: há 12 tricampeões europeus, 1 tetracampeão europeu que é o Ronaldo, 4 bicampeões europeus e só o Ascensio ganhou a Liga dos Campeões uma vez. No lado do Liverpool, não temos nada: vai ser a primeira final da ‘Champions’ para todos e daquela equipa que há dois anos perdeu a final da Liga Europa com o Sevilha só restam três jogadores. Portanto, é uma diferença de experiência, de know-how, “tarimba”, portanto aposto naquele “tridente mágico”, porque de resto muito sinceramente se o Real Madrid defender melhor do que aquilo que costuma defender, infelizmente porque estou 100% a favor do Liverpool, mas infelizmente a maior qualidade e experiência do Real pode ditar as diferenças.

Há alguma vantagem para o Liverpool por não ser favorito?

Não. Haveria se fosse outra equipa que não o Real Madrid, porque é um clube que nasceu para isto. Eles estão completamente focados nisto e todos os jogadores, a começar no Ronaldo que está “louco” por ganhar mais uma tem também interesse especial neste jogo, porque ele quer mais uma Bola de Ouro, antes do mundial, porque se ganhar a ‘Champions’ ele fica claramente logo à frente para ganhar a Bola de Ouro.

Todos os jogadores sabem que devem alguma coisa aos adeptos, porque o campeonato foi fraquinho, na taça foram logo eliminados e nem é preciso dizer-lhes, o Real Madrid nasceu para isto. A liga do Real Madrid é a Liga dos Campeões, por muito que isso incomode o Barcelona, a verdade é esta, o Real Madrid é um clube feito para estas competições, para a Europa, está no seu código genético. Curiosamente o Liverpool também. O Liverpool não é campeão inglês há quase 30 anos, o último título foi em 1990, e isso não o impediu de ganhar uma Liga dos Campeões e chegar a uma final em 2007 e agora em 2018.

Vejam quantos clubes na Europa não conseguem ser campeões em casa e depois têm este percurso na Europa. Nesse aspeto são dois clubes muito semelhantes, com grande propensão para as competições europeias, têm taxas de aproveitamento altíssimas. O Liverpool em sete finais da ‘Champions’ ganha cinco, e uma delas perdeu porque tinha de perder, foi “oferecida” pelo árbitro em Heysel. E o Real Madrid em 15 finais ganha 12, portanto até nisso teremos um jogo interessante são dois clubes ganhadores. Não jogam finais, ganham-nas. Há clubes como a Juventus, o Benfica, o Bayern, que têm muitas finais perdidas na ‘Champions’, não é o caso destes dois. Agora adorava que o Liverpool ganhasse, porque a equipa fez uma época excepcional, tirando aquele desvario defensivo nos dois jogos com a Roma, que podia ter complicado as contas.

Lá está ninguém, se aborrece a ver o Liverpool.

É que é mesmo isso. Isto pode ser uma final épica, não ficaria admirado se fosse do género daqueles 5-4 com o Alavés. Porque são duas equipas semelhantes nas virtudes, mas com uma grande diferença. Em termos de experiência e saber lidar se as coisas começarem a correr mal, eu acho que o Real Madrid é mais forte.

Vai ser uma final épica?

Eu acho que sim, mas atenção: às vezes acontece o contrário. O ano passado por altura da final Real Madrid – Juventus, todos pensavam que seria uma final muito tensa, fechada e depois aquilo acabou por dar cinco golos, com uma goleada do Real Madrid (4-1). Às tantas, estou a dizer isto e vamos ter uma final de 0-0, mas com aqueles jogadores em campo não acredito. Espero que o Liverpool marque cinco e o Ronaldo quatro. Eu gosto imenso do Ronaldo, sou um fã incondicional dele, mas pela primeira vez estou a torcer contra ele, desta vez tem que ser, o Ronaldo que me desculpe.

Sempre que jogou finais contra equipas inglesas o Real Madrid nunca ganhou…

É verdade. Lembro-me perfeitamente como se fosse hoje da final de 1981 no Parque dos Príncipes, o golo daquele “pezudo” do Alan Kennedy. Essa equipa do Real Madrid era a conhecida pelos “Garcias”, porque todos os jogadores tinham Garcia no nome. Aí era ao contrário, o Liverpool é que era a grande equipa da Europa. Trinta anos volvidos, está tudo ao contrário. O Real Madrid é indiscutivelmente a equipa mais forte da Europa: é bicampeão europeu em título e o Liverpool é o outsider. O Real Madrid perdeu uma final da Taça das Taças contra uma equipa que não era inglesa, mas era escocesa, o Aberdeen, de Alex Ferguson.

Esta “abstenção” do Real Madrid de ganhar o campeonato, para se focar na Liga dos Campeões, foi um risco calculado, ou demasiado arriscado até para Zidane?

Claro que sim. Foi um risco grande, mas é um risco de pormenor, porque se repararmos aquilo no Real Madrid há uma tendência para não entrar em pânico quando não ganham a liga. O Real Madrid até aceita institucionalmente não ganhar uma liga durante 10 anos, até podem ganhar, agora a Liga dos Campeões e tudo o que está associado, desde a exposição mediática, a possibilidade de continuar a ganhar noutros palcos, a supertaça europeia, mundial de clubes é esse o foco.

O que poderia parecer uma coisa incomodativa para outros clubes, por exemplo o Barcelona tem muito mais cultura de liga espanhola que o Real Madrid e preza-a muito mais. Aliás basta ver, não é há toa que o Ronaldo está há oito épocas no Real Madrid e quantas vezes foi campeão? Duas. Só ganhou mais uma liga que o Atlético Madrid nestes anos todos é uma coisa muito estranha.

Portanto, aquilo que em condições normais valeria a Zidane o despedimento, porque de facto foi uma vergonha, o Real aproveitou a segunda metade do campeonato para treinar para a Liga dos Campeões e poupar jogadores. Noutros clubes valeria de imediato um despedimento ao treinador mas por outro lado vemos o percurso do Zidane que está a dar os primeiros passos… tem dois anos e meio como treinador e vejam o que este homem já ganhou.

O que é que é uma Liga no meio disto tudo? Mas sim, é um risco, porque se o Real falhar a ‘Champions’, o que resta? Não fica de mãos abanar, tem um Mundial de clubes, ganhou a supertaça espanhola, a supertaça europeia, mas falha o major. É um risco que é tolerado pelo Real Madrid, porque é uma equipa muito focada na Liga dos Campeões e nas competições internacionais.

Porque é na Liga dos Campeões que se ganham Bolas de Ouro e não nas Ligas internas, correto?

Claro que sim. Porque é que o Neymar está “doido” para vir para o Real Madrid? Eu percebo-o. Eu, se fosse o Neymar e quisesse ganhar uma Bola de Ouro, ia para Madrid. E dá outro género de exposição não há dúvidas, embora seja injusto para uma competição como a Liga espanhola, que não é qualquer equipa que a ganha. Mas lá está… olhamos para os últimos anos e o que é salta mais à vista? E este é um debate que já se começa a ver na própria imprensa catalã, que é muito culé, mas já equaciona: ‘nós vamos ganhar o campeonato e a taça no final da época, mas se o Real Madrid ganha a terceira (Liga dos Campeões) consecutiva, só dá Real Madrid e só dá Ronaldo’.

E a verdade é essa: embora a Liga espanhola tenha mediatismo, nada se compara a ganhar uma ‘Champions’! Porque são as últimas imagens que ficam, e são essas que pesam. E até digo uma coisa. Se o Liverpool ganhar a taça e o Salah fizer uma boa final, é claramente o candidato número 1 à Bola de Ouro. Depois do que ele fez este ano no campeonato inglês, a qualidade do futebol, os golos que marcou, o melhor jogador da Premier League, se ganhar a ‘Champions’, não fico admirado se for o Salah a finalmente vai romper o “reinado” Ronaldo-Messi.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários