Finalista de Gestão da Nova SBE vence Primus Inter Pares

Marta Pereira é a vencedora da 14ª edição do prémio do Santander Totta. Tomás Virtuoso, finalista de Economia da Católica SBE, e Frederico Andrade, de Finanças também da NOVA SBE, ficaram em 2º e 3º.

Os vencedores foram anunciados ontem à noite na gala do Primus Inter Pares, que teve lugar no Hotel Ritz, em Lisboa. À fase final chegaram também Duarte Barosa, do curso de Finanças da NOVA SBE, e Francisco Teles, de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores do Instituto Superior Técnico.

Os três primeiros classificados terão agora a oportunidade de frequentar um MBA numa Business School nacional ou internacional, beneficiando do pagamento dos custos de matrículas e de propinas. As instituições envolvidas são: o IESE, em Barcelona, o IE Business School, em Madrid, o The Lisbon MBA (Universidade Católica e Universidade NOVA), o ISCTE, o ISEG e a Porto Business School. Os 4º e 5º classificados recebem um curso de pós-graduação.

O Primus Inter Pares é um prémio de excelência, criado pelo Banco Santander Totta e pelo jornal Expresso para distinguir os melhores estudantes das três áreas a concurso.

 

Recomendadas

Governo abre 85 vagas para estágios profissionais destinadas a jovens até 29 anos

Estas vagas destinam-se aos chamados jovens “nem-nem” (nem estudam, nem trabalham). As candidaturas estão abertas até às 18h00 do dia 30 de setembro.

Oito portugueses entre os vencedores do maior programa universitário de inovação digital da Europa

O European Innovation Academy é o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa. A terceira edição realizou-se entre os dias 14 de julho e 2 de agosto. Há oito portugueses entre os vencedores, com projetos que vão desde apoio a invisuais e a crianças com doenças crónicas até bicicletas com airbaigs.

Martin Kern: “Uma economia não se mede apenas pelo número de unicórnios”

Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor do Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia refere que o aumento orçamental proposto pela Comissão Europeia para os próximos anos pode beneficiar as startups e as atividades de investigação em Portugal.
Comentários