Foco centrado nos dados para melhorar resultados no sistema de saúde

Os dados são a força motriz que sustenta a Quarta Revolução Industrial, ou também designada como Indústria 4.0, e o surgimento de novos modelos de negócios. Nos serviços de saúde dever-se-á utilizar os dados de forma progressiva, levando a intervenções mais proativas e personalizadas, e a uma mudança para a prevenção em vez do tratamento. […]

Os dados são a força motriz que sustenta a Quarta Revolução Industrial, ou também designada como Indústria 4.0, e o surgimento de novos modelos de negócios. Nos serviços de saúde dever-se-á utilizar os dados de forma progressiva, levando a intervenções mais proativas e personalizadas, e a uma mudança para a prevenção em vez do tratamento.

Há cinco tendências que estão a liderar o surgimento de uma nova abordagem para os serviços de saúde, a qual é centrada em dados. A capacidade de uma organização gerar valor depende da eficiência com que consegue libertar o poder dos dados e gerar insights conectando, combinando e partilhando de forma segura esses dados a um nível muito mais elevado.

1. Os dados tenderão a estar mais conectados, combinados e compartilhados em todo o ecossistema de saúde. Estes encontram-se dispersos por múltiplas organizações e só pela partilha será possível tirar o maior partido de tal informação.

2. Nanomedicina, sensores e inteligência artificial serão reconhecidos como o sistema nervoso, impulsionando a inovação, uma vez que permitem o processamento de informação massiva e em tempo real.

3. Um “backbone digital” irá surgir na indústria … mas quem será o dono? Por forma a evitar perderem valor no futuro, as entidades do setor da saúde devem ponderar sobre como os seus produtos e serviços alinharão com as infraestruturas emergentes.

4. O paciente-consumidor exigirá aumento de poder e influência sobre outros stakeholders. A pesquisa “Future of Health Survey 2018” da EY sugere que os consumidores esperam cada vez mais uma interação modernizada entre médico e paciente, e que se sentem progressivamente mais confortáveis com o uso da tecnologia digital na saúde.

5. O foco terapêutico e a adoção de modelos de negócios especializados irão possibilitar às empresas que se posicionem de modo a se se superarem. Os modelos de negócio são o ponto de partida para se identificarem os produtos, os serviços e o potencial a priorizar.
Se é certo que o sistema de saúde português precisa com urgência de investimentos em diversas áreas, uma delas é sem dúvida nos sistemas de informação, de forma transversal a todo o SNS.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, newsletters, estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Vídeos sapo

vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo

O “novo” regime de dedução de gastos de financiamento líquidos – questões práticas

O regime de dedução de gastos de financiamento líquidos (“GFL”), em traços gerais, limita a dedução daqueles gastos para efeitos do apuramento do lucro tributável, em sede de IRC, até ao maior de dois patamares: Euro 1.000.000 ou 30% do resultado antes de depreciações, amortizações, GFL e impostos, ajustado para efeitos fiscais (“EBITDA fiscal”). A […]

Fatores que contribuem para o sucesso de uma transação

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos […]
Comentários