FPF prevê gastos de 60 milhões de euros em 2017/2018

Arbitragem e “gastos operacionais com provas” serão uma despesa na ordem dos 6,5 e 5,1 milhões de euros nesta que é a época em que se introduzirá o vídeo-árbitro em todos os jogos da Liga Nos.

Carl Recine/Reuters

A Federação Portuguesa de Futebol aprovou hoje, em assembleia geral na Cidade do Futebol, o orçamento e o plano de atividades para 2017/2018, em que prevê gastos de cerca de 60 milhões de euros e um saldo positivo de 68,5 mil euros.

O documento foi aprovado por unanimidade e esclarece que a principal fonte de receita são os direitos de transmissão, publicidade e patrocínios, seguidos das receitas dos jogos sociais e das verbas recebidas por participação em competições internacionais, segundo se lê no comunicado publicado na página online da FPF.

Em 2017/18, a FPF estima arrecadar quase 24 milhões de euros com “direitos de transmissão, publicidade e patrocínios” e 8,1 milhões na rubrica “subsídios”, entre os quais se incluem as subvenções do Estado e outras entidades, bem como de entidades desportivas (FIFA, UEFA, entre outras).

O maior investimento da FPF serão as seleções nacionais, onde se prevê um gasto na ordem dos 19 milhões de euros. Só a seleção AA custará mais de 10 milhões de euros, diz a Lusa, citada pelos meios de comunicação.

“Neste particular, destaca-se o aumento em mais de 100 por cento dos gastos com a seleção nacional feminina (tendo em conta também a participação na fase final do Campeonato da Europa), o que representa o maior crescimento no universo das 23 equipas nacionais existentes”, informa o documento..

Em “serviços de estrutura” contabilizam-se gastos de cerca de 18,3 milhões de euros, com destaque para os 6,2 milhões de euros que são gastos com pessoal, e os 4,9 milhões de euros em técnicos, médicos e outros prestadores de serviços.

“No que diz respeito a gastos com pessoal — questão levantada durante a discussão deste sábado -, a época passada representou o rácio mais baixo dos últimos anos em relação aos gastos totais: 11% em 2011/2012 e 2012/2013; 10% em 2013/2014; 12% em 2014/2015; e 8% em 2015/2016”, explica a FPF.

Arbitragem e “gastos operacionais com provas” serão uma despesa na ordem dos 6,5 e 5,1 milhões de euros nesta que é a época em que se introduzirá o vídeo-árbitro em todos os jogos da Liga Nos.

“Se a FPF vê a transparência como um fim em si mesmo, a introdução do vídeo-árbitro nas principais competições de futebol nacional será uma das maiores novidades da corrente época. Outros investimentos em melhor arbitragem e melhor disciplina dar-nos-ão a garantia de tudo estarmos a fazer para tornar o futebol mais atrativo e cativante”, escreve Fernando Gomes presidente da FPF, Fernando Gomes, numa nota de introdução ao documento.

Ler mais
Recomendadas

Arranca hoje a corrida do FC Porto pela Champions de olho em encaixe de 44 milhões

Sérgio Conceição e os seus homens estão a, pelo menos, 360 minutos de distância de poderem engordar a conta bancária dos azuis e brancos de forma generosa. Este encaixe financeiro é visto como fundamental pela SAD portista. 

Benfica celebra parceria com Placard por três anos

O Sport Lisboa e Benfica acaba de celebrar uma parceria com o Placard.pt que, nos próximos três anos, será o patrocinador oficial de apostas desportivas do clube. Segundo um comunicado do clube da Luz, “o Placard.pt marcará presença relevante tanto no ‘site’ oficial, como nas várias plataformas digitais do Benfica, sendo que ambas as entidades […]

Estádio do Estrela da Amadora na Reboleira vai a leilão por seis milhões de euros

No decorrer de um processo de insolvência do Estrela da Amadora, foi fundado um novo clube, o Clube Desportivo Estrela, que usa as instalações da Reboleira.
Comentários