Fundo europeu de combate à fome não está a chegar às instituições

Tal como aconteceu em 2016, o Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas não está a ser cumprido e a promessa do Governo de que haveria 30 milhões de euros em géneros alimentares para distribuição ainda não foi executada.

Os apoios do Fundo Europeu de Auxílio às Pessoas Mais Carenciadas (FEAC) não estão a ser entregues às instituições de solidariedade social, informa o Jornal de Notícias desta sexta-feira. À semelhança do que aconteceu em 2016, o programa não está a ser cumprido e a promessa do Governo de que haveria 30 milhões de euros em géneros alimentares para distribuição ainda não foi executada.

“Neste momento, as IPSS estão a fazer distribuição às famílias a partir daquilo que lhes chega dos bancos alimentares ou dos donativos que chegam. Ou seja, não há ajuda pública alimentar”, afirma a presidente do Banco Alimentar Contra a Fome, Isabel Jonet, de acordo com o matutino.

“Os alimentos que chegam dos bancos alimentares são para o consumo das instituições”, refere ao JN Lino Maia, porta-voz da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade. O responsável do organismo considera que esse é o principal motivo pelo qual é ainda mais importante que o material vindo do FEAC seja devidamente distribuído. Ainda assim, Lino Maia elogia o programa das cantinas sociais, que está a funcionar normalmente.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários