Futebol: De fenómeno popular à cotação em bolsa

O futebol tem vindo a assumir uma importância crescente nas sociedades modernas, não apenas no plano desportivo, como social e, sobretudo, económico. Em função disso, o futebol tornou-se demasiado apetecível e disputado por vários segmentos da sociedade, com diferentes motivações.

Escrever sobre futebol em ano de mundial, especificamente no mês da competição, não é uma grande novidade, mas, também, uma opinião mais não fará grande diferença.

O futebol tem vindo a assumir uma importância crescente nas sociedades modernas, não apenas no plano desportivo, como social e, sobretudo, económico. Em função disso, o futebol tornou-se demasiado apetecível e disputado por vários segmentos da sociedade, com diferentes motivações.

Todavia, antes de atingir uma dimensão estratosférica, o futebol em Portugal começou por ser um desporto acessível, tendo sido, durante muitas décadas, uma modalidade popular, praticada quase exclusivamente por crianças pobres e gerida por voluntários que se entregavam aos seus clubes por gosto e paixão. Não obstante o amadorismo, pelo menos cumpria a sua função social de integração, saúde e bem-estar.

Entretanto, o futebol mudou drasticamente de paradigma. Hoje os jogadores são recrutados nas grandes academias e os dirigentes são profissionais bem remunerados. Temos grandes estádios e fazem-se muitos negócios em torno com significativo impacto económico e social, face à atenção da comunicação social.

Como qualquer outro negócio de grande dimensão, sobretudo os cotados em bolsa, o futebol exige administrações competentes, sóbrias, discretas e responsáveis. Igualmente os treinadores passaram a ser autênticos gestores de ativos e fortunas, como se de um departamento private da banca se tratasse, exigindo-se-lhes, por isso, um perfil de competências que combine, além dos extraordinários conhecimentos do futebol e “balneário”, uma capacidade de liderança, gestão de recursos humanos e dotes de comunicação muito acima da média.

Por esta razão, existem já, felizmente, muitos atletas e treinadores que procuram adaptar-se para responder adequadamente aos desafios do futebol. Mas, se por um lado a educação física e desporto estão bem desenvolvidos, já a gestão, assim como a alta finança, especificamente adaptados ao futebol, são áreas recentes e, ainda, em desenvolvimento. Talvez, por isso, não existam no mercado muitos profissionais competentes, capazes de combinar resultados desportivos com resultados financeiros. Na verdade se analisarmos atentamente o caso das sociedades anónimas desportivas portuguesas, estão quase todas sobreendividadas, muitas em falência técnica. Logo, facilmente podemos aferir a situação difícil em que se encontram, ocultadas pela dimensão social do fenómeno. Desta forma, o futebol torna-se um espaço apetecível para o desenvolvimento do populismo, com os resultados que se têm assistido em direto ultimamente.

Neste âmbito, as universidades têm uma oportunidade de negócio, caso apresentem formações que respondam aos desafios do futebol moderno. Por outro lado, têm a responsabilidade de formar e, até, educar para um novo paradigma que influencia muitas das nossas crianças, de forma a apresentar-lhes referências sociais positivas e não o que se tem visto.

Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários