Ganhos da Galp e BCP invertem perdas do PSI 20 e colocam-no em linha com a Europa

O principal índice nacional, PSI 20 acompanha as praças europeias, que transacionam predominantemente no ‘verde’, e valoriza 0,08%. As empresas do papel e pasta de papel travam os ganhos.

Benoit Tessier / Reuters

A bolsa portuguesa está a negociar em ligeira alta, a meio da sessão desta terça-feira, dia 31 de julho, depois de ter iniciado sessão em queda. O principal índice nacional, PSI 20, acompanha as praças europeias, que transacionam predominantemente no ‘verde’, e valoriza 0,08% para 5.631,52 pontos, impulsionado pela Galp Energia e pelo BCP.

A liderar os ganhos está o BCP, que soma 1,09% para 0,268 euros. A acompanhar a tendência está a Galp Energia, que avança 0,83% para 17,540 euros. A petrolífera nacional apresentou resultados trimestrais na segunda-feira de manhã. Os resultados líquidos ajustados da Galp dispararam 40% no primeiro semestre deste ano, face a igual período de 2017, para 211 milhões de euros, suportados pelo aumento da produção e pela subida dos preços de venda de petróleo e gás natural.

Em terreno positivo estão também a Jerónimo Martins, que soma 0,79% para 12,810 euros, a EDP Renováveis, que sobe 0,58% para 8,740 euros, e a Pharol, que avança 0,65% para 0,232 euros.

A contrabalançar os ganhos destacam-se as papeleiras: a Altri perde 1,13% para 8,780 euros e a Navigator recua 1,57% para 4,886 euros. A cair estão também os CTT, que esta terça-feira apresentarem contas ao mercado. A empresa liderada por Francisco Lacerda segue em alta, a valorizar 0,79% para 3,028 euros.

Em terreno negativo estão ainda a Sonae (-0,82%), a NOS (-0,12%), a Ibersol (-1,47%), a Corticeira Amorim (-0,70%), a REN (-0,24%), a Sonae Capital (-0,44%), a Mota-Engil (-0,69%), a Sonae Capital (-0,44%) e a F. Ramada (-0,98).

As restantes bolsas europeias seguem no ‘verde’. O índice francês CAC 40 valoriza 0,20%, o espanhol IBEX 35 aprecia 0,44%, o holandês AEX ganha 0,26%, o italiano FTSE MIB sobe 1,25% e o britânico FTSE 100 avança 0,67%. Em contraciclo, o alemão DAX perde 0,16%.

Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP, indica que “as praças europeias ganharam tração ao longo da manhã e a maioria dos principais índices segue agora em alta”. “A queda do setor tecnológico em Wall Street nas últimas sessões e os sinais de arrefecimento vindos da Ásia, onde o banco do Japão cortou as perspetivas de crescimento económico e de inflação, bem como os PMI da China, que mostraram uma perda de ritmo de crescimento da atividade na indústria e serviços, ainda condicionaram o sentimento na abertura”, explica.

“Apesar de ter sido revelado que a economia da Zona Euro perdeu momentum e cresceu abaixo do previsto no 2ºtrimestre, alguns dados empresariais estão a gerar otimismo nos investidores, mas ainda assim o dado económico não deve ser ignorado”, acrescenta.

Esta terça-feira, o mercado deve prestar grande atenção às contas da Apple após o fecho de Wall Street, depois de algumas tenológicas terem mostrado números aquém do antecipado pelos analistas.

A cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, recua 0,11% para 75,47 dólares, enquanto a do crude WTI perde 0,58%, para 69,72 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro avança 0,26% para 1,173 dólares e a libra aprecia 0,16%, para 1,315 euros.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários