Ganhos da NOS e BCP levam PSI 20 para terreno positivo

Lucros da telecom subiram 9,2% para 79 milhões no segundo semestre do ano, segundo um comunicado enviado esta segunda-feira à CMVM. Em bolsa, a NOS terminou o dia com um ganho de 4,03% para 4,952 euros por ação.

O índice de referência nacional, PSI 20, fechou esta segunda-feira a ganhar 0,58% para 5.638,17 pontos, graças aos ganhos expressivos da NOS e do BCP. Lisboa subiu pela primeira vez em quatro sessões e contrariou, assim, a tendência na Europa, onde as principais praças fecharam no ‘vermelho’.

“O mercado nacional conseguiu contrariar a tendência moderadamente negativa que se observou no resto da Europa”, explicam os analistas do BPI. “Para tal contribuíram o bom desempenho do BCP e dos CTT assim como a reação positiva dos investidores aos resultados da NOS”.

Os lucros da telecom subiram 9,2% para 79 milhões no segundo semestre do ano, em comparação com o anterior, segundo um comunicado enviado esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Em bolsa, a NOS terminou o dia com uma valorização de 4,03% para 4,952 euros por ação.

“A subida do BCP destacou-se mesmo num contexto de uma valorização generalizada das ações bancárias europeias, registando uma overperformance face ao DJStoxx Banks. Após o abalo causado pelo anúncio dos critérios que regem a atividade da empresa por parte da Anacom, os CTT alcançaram uma valorização próxima dos 2%”, referem.

As ações do banco subiram 2,54% para 0,2708 euros. Ainda no ‘verde’, destacaram-se os CTT (1,93% para 2,952 euros), a Pharol (2,59% para 0,238 euros) e a EDP (0,76% para 3,459 euros).

Em sentido contrário, o setor do papel e pasta de papel foi o mais penalizado, com a Semapa a cair 2,08% para 21,150 euros, a Altri a recuar 1,34% para 8,810 euros e a Navigator a perder 0,34% para 4,988 euros. Também o retalho fechou no vermelho, sendo que tanto a Sonae como a Jerónimo Martins desvalorizaram 0,15% na sessão. As ações da EDP Renováveis cederam 0,22% para 8,880 euros.

Trump dá tombo às bolsas europeias, dólar recupera

“Os mercados europeus foram negativamente condicionados pelas mais recentes intervenções do Presidente Trump”, explicam os analistas do BPI.

Entre as principais praças europeias, o dia foi negativo, com o índice pan-europeu a perder 0,28%. O alemão DAX recuou 0,11%, o francês CAC 40 caiu 0,37%, o espanhol IBEX 35 deslizou 0,08%, o italiano FTSE MIB caiu 0,89% e o britânico FTSE 100 perdeu 0,29%.

Donald Trump ameaçou, na passada sexta-feira, aplicar tarifas aduaneiras a 500 mil milhões de dólares de bens importados da China e acusou tanto o gigante asiático como a zona euro de manipularem moeda. A desvalorização do dólar pressionou as ações das empresas europeias com maior vertente exportadora.

No mercado cambial, o euro depreciou-se 0,20% para 1,170 dólares, a corrigir das fortes valorizações de sexta-feira.

Na dívida, as yields das Obrigações a 10 anos dos países da zona euro subiram de forma generalizada: na Alemanha 3,7 pontos base para 0,407%, em França 3,7 pontos para 0,717%, em Espanha 6,6 pontos para 1,380% e em Itália 5 pontos para 2,639%. Portugal contrariou a tendência, com os juros da dívida benchmark a recuarem 0,8 pontos base para 1,774%.

[Notícia atualizada às 17h10]

Ler mais

Relacionadas

NOS sobe 9,2% os lucros para 79 milhões no semestre

No segundo trimestre as receitas cresceram para 389 milhões de euros, com os proveitos das telecomunicações a crescer 1,8% para 374,2 milhões de euros, impulsionados pelo aumento da base de clientes da NOS neste período.

Disparo da NOS continua a impulsionar PSI 20 numa Europa em correção

O índice nacional contraria as praças europeias, motivado pela NOS, que apresentou os lucros acima do esperado no primeiro semestre do ano.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A época de resultados vai centrar as atenções esta semana por toda a Europa e EUA. No PSI 20, há 10 cotadas que apresentam contas. Juncker, Trump e Draghi (bem como dados económicos) também vão estar em destaque.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários