Gastos com medicamentos rondam os 10 milhões

Dados do SESARAM apontam para um acréscimo no consumo na ordem dos 0,73%.

Entre janeiro e abril deste ano, o Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM) gastou 9,8 milhões em medicamentos. Os indicadores divulgados, esta semana, por este organismo revelam ainda que os 40 fármacos mais utilizados representam 2% do total de medicamentos utilizados no SESARAM e 50% dos custos com medicamentos.

A maior despesa com medicamentos é feita no tratamento das doenças oncológicas. Nos primeiros quatro meses do ano, os gastos com fármacos que ajudam a tratar o cancro foi superior a 1 milhão e duzentos mil euros (1.285.957,44€).

O combate ao Vírus da Imunodeficiência Humana (VHI Sida) representa o segundo gasto maior (830.728,90€). Na compra de oxigénio o SESARAM já gastou mais de meio milhão de euros (529.054,09€).

No que concerne a consultas, o SESARAM dá conta de um aumento de 7%, no primeiro trimestre deste ano, o que se traduz em 69.735 consultas médicas realizadas no Hospital Dr. Nélio Mendonça, em comparação com o mesmo período de 2016.
Ainda no primeiro trimestre do corrente ano verificou-se uma subida de 137% no número de pequenas cirurgias e um decréscimo de 67% nas cirurgias de ambulatório em comparação com o período homólogo.

A flutuação é explicada pelo SESARAM com a reorganização interna que ocorreu em 2016, num modelo onde parte substancial das cirurgias classificadas anteriormente como ambulatório passa a integrar a pequena cirurgia.
O organismo diz também que houve, no primeiro trimestre de 2017, um aumento ligeiro no total de cirurgias para as 3365, mais 26 em comparação com o período homólogo de 2016.

No SESARAM trabalham 4776 profissionais, a maioria do sexo feminino (75%), com uma habilitação dominante ao nível da Licenciatura (51%).

Ler mais
Relacionadas

Infarmed denuncia mais de 460 mil unidades de medicamentos ilegais

O Infarmed anunciou que foram intercetadas mais de 460 mil unidades de medicamentos a circular ilegalmente em 2016, dos quais 11% foram destruídos por serem de risco elevado, falsificados ou suspeitos de falsificação.

Competir pela Agência Europeia de Medicamentos

Esta candidatura é de inegável interesse nacional e não permite falsas partidas. Todos os agentes políticos, económicos e sociais devem ser envolvidos neste desígnio.

ADSE nega redução na comparticipação de medicamentos oncológicos

A ADSE negou hoje a redução na comparticipação de medicamentos a doentes oncológicos ou com esclerose múltipla, esclarecendo que alguns fármacos estavam a ser comparticipados indevidamente a 100%, pois não eram utilizados “em tratamento de quimioterapia na patologia oncológica”.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários