Gonçalo Saraiva Matias: “50% dos alunos dos nossos LL.M. são estrangeiros”

O novo Diretor da Católica Global School of Law revela que já passaram pelos programas da escola juristas de cerca de 45 nacionalidades.

A Católica Global School of Law oferece dois programas: LL.M. Law in a European and Global Context e Advanced LL.M. in International Business Law.

A quem se destinam?
O LL.M. Law in a European and Global Context, coordenado pelos professores Joseph H.H. Weiler (NYU) e Miguel Poiares Maduro (Instituto Universitário Europeu, Florença) dirige-se a jovens juristas que pretendem alargar horizontes jurídicos, acedendo a perspetivas europeias e transnacionais sobre as diferentes áreas do direito. O Advanced LL.M. in International Business Law é dirigido a advogados e outros juristas, já possuidores de experiência profissional. Este programa, com a 1ª edição em 2006-2007, proporciona a formação necessária a quem pretenda assessorar grandes empresas internacionais ou instituições financeiras multinacionais, quer como juristas de empresa, quer como advogados em grandes escritórios. Poderá ser, na área de Direito, comparável ao MBA, na área da Gestão.

Qual o grau de internacionalização desses programas?
Os LL.M. da Católica Global School of Law são integralmente lecionados em inglês por um corpo docente de referência, composto por reputados académicos e advogados mundiais, mais de 80% dos quais estrangeiros, vindos de universidades tão variadas como NYU, Columbia, Harvard, Duke, Michigan, Oxford, KCL, LSE, Sciences Po e Humbolt Berlim.

Já tiveram alunos de quantas nacionalidades?
Até ao presente ano letivo já passaram por estes programas juristas de mais de 45 nacionalidades diferentes. Os nossos programas competem, assim, pelos melhores alunos provenientes das mais prestigiadas escolas mundiais.

De que países são oriundos?
Ao longo dos anos cerca de metade dos nossos alunos são estrangeiros e vêm sobretudo da Euroa (Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, França, Finlândia, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Kosovo, Letónia, Lituânia, Polónia, República Checa, Polónia, Reino Unido, Roménia, Suíça) e dos EUA, com um pequeno contingente do Brasil, Angola e Moçambique e de outros países da América Latina e da Ásia.

Este ano letivo?
No presente ano letivo, cerca de 50% dos alunos são estrangeiros.

Quanto custa a propina dos programas de LL.M.?
A propina anual do LL.M. Law in a European and Global Context é 14 mil euros, com com possibilidade de pagamento fraccionado, ou de recurso ao Funding Católica Global School of Law. O Advanced LL.M. in International Business Law em Full-time custa 14 mil euros.

Que mais valias proporcionam?
Entre muitos outras destacaria, a diversidade e complementaridade de abordagens, por professores americanos e europeus, que muito dificilmente os alunos conseguiriam ter numa outra universidade. A extensa rede de parcerias internacionais que a Católica Global School of Law tem com universidades de topo a nível mundial permite encorajar os alunos a aproveitar os programas de mobilidade internacional e, bem assim, a oportunidade de obter um Double Degree com o King’s College London, com Cornell University Law School, com Michigan Law School, entre outros.

Ler mais
Recomendadas

Governo abre 85 vagas para estágios profissionais destinadas a jovens até 29 anos

Estas vagas destinam-se aos chamados jovens “nem-nem” (nem estudam, nem trabalham). As candidaturas estão abertas até às 18h00 do dia 30 de setembro.

Oito portugueses entre os vencedores do maior programa universitário de inovação digital da Europa

O European Innovation Academy é o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa. A terceira edição realizou-se entre os dias 14 de julho e 2 de agosto. Há oito portugueses entre os vencedores, com projetos que vão desde apoio a invisuais e a crianças com doenças crónicas até bicicletas com airbaigs.

Martin Kern: “Uma economia não se mede apenas pelo número de unicórnios”

Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor do Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia refere que o aumento orçamental proposto pela Comissão Europeia para os próximos anos pode beneficiar as startups e as atividades de investigação em Portugal.
Comentários