Governador do Banco de Itália diz que reação dos mercados à crise política é “grave mas injustificada”

A intervenção de Ignazio Visco sobre a economia italiana ocorre no dia em que o país está à espera da formação do Governo que deverá ser proposto por Carlo Cottarelli.

Italiaexit

O governador do Banco de Itália, Ignazio Visco, defendeu esta terça-feira que a reação dos mercados financeiros à situação política em Itália é “grave, mas injustificada”.

Numa intervenção anual sobre a economia italiana, o governador do banco central italiano afirmou que “é importante que a voz de Itália seja determinante em contextos onde o futuro da União Europeia é decidido”, numa referência às decisões de curto prazo sobre a governação do bloco, orçamentos para vários anos e a revisão das regras financeiras.

A intervenção de Visco sobre a economia italiana ocorre no dia em que o país está à espera da formação do Governo que deverá ser proposto por Carlo Cottarelli, encarnação da austeridade orçamental escolhido pelo Presidente Sergio Mattarella, depois de ter vetado o Governo da coligação entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga do Norte, vencedores das últimas eleições de março.

Cottarelli é um dos economistas mais críticos das propostas económicas do programa de Governo acordado entre a Liga Norte e o Movimento 5 Estrelas.

Entretanto, Cottarelli não tem praticamente qualquer hipótese de obter a confiança do Parlamento dominado pelos eurocéticos Movimento 5 Estrelas e Liga do Norte e, portanto, deverá ficar incumbido da gestão de assuntos correntes antes da realização de novas eleições em setembro ou outubro deste ano.

Os mercados temem que nestas novas eleições haja um reforço das formações eurocéticas Movimento 5 Estrelas e Liga do Norte.

A diferença entre as taxas das dívidas soberanas italiana e alemã ultrapassou hoje a barreira dos 300 pontos para o nível mais alto desde novembro de 2013, testemunhando a inquietação dos mercados face à situação política em Itália.

Além do ‘spread’ entre os juros da dívida italiana a dez anos e os da alemã no mesmo prazo – que subiu bruscamente, em menos de 15 minutos, de 235 pontos base na abertura para 301 pontos base a meio da manhã –, o principal índice da bolsa de Milão cedia 2,76% a meio da sessão para 21.324 pontos, depois de ter estado a cair mais de 3,3%, arrastado pela desvalorização das ações da banca.

A nível cambial, o euro, que abriu em alta, a 1,1631 dólares, no mercado de divisas de Frankfurt, descia cerca das 11:00 para 1,1542 dólares, um mínimo desde agosto de 2017.

Ler mais

Relacionadas

Volume nas bolsas europeias sobe a pique com castigo vindo de Itália

A instabilidade política em Itália é o tema central da sessão. O PSI 20 cai 2,23% com todas as cotadas no ‘vermelho’. Na Europa, não há bolsas em terreno positivo.

Itália assusta investidores. ‘Yield’ de Portugal a 10 anos toca 2,5%

As preocupações dos investidores esta terça-feira prendem-se com a solução governativa em Itália e a moção de censura ao Governo espanhol. No mercado secundário, os juros de Espanha, Itália, Portugal e Grécia disparam, enquanto Alemanha e EUA beneficiam.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários