BCE autorizou adiamento da recapitalização da CGD

A conversão de ‘CoCos’ deverá derrapar para 2017. Na primeira semana de 2017, dá-se início ao processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O Governo só vai dar início à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no início de 2017, contrariando as expectativas que o processo começasse ainda no final deste ano, segundo o que apurou agora o “Jornal de Negócios”.

Na semana passada, o Jornal Económico noticiou que o registo de imparidades de três mil milhões de euros deveria passar para o próximo ano e seria já anunciado por Paulo Macedo. Assim como a transferência da participação da ParCaixa e a conversão de CoCos em capital. No Governo, ninguém falou em adiamento, porque “nunca houve qualquer prazo”, disse uma fonte contatada. Questionada sobre o processo, fonte oficial da Parpública explica que a holding do Estado “não tem intervenção no processo de transferências de ações da Parcaixa para a a CGD”.

A primeira parte do processo de recapitalização deverá acontecer somente na primeira semana do próximo ano, incluindo a conversão de ‘CoCos’. Inicialmente previstas para o final deste ano, o diário lembra que o Banco Central Europeu já autorizou o adiamento das operações.

“Em causa está a conversão em capital de 900 milhões de euros de instrumentos de capital contingente, acrescidos de juros vencidos, e a transmissão de 49% da Parcaixa para a CGD”, escreve o diário, confirmando a notícia do Jornal Económico, e indicando que a decisão prende-se sobretudo com o facto de o executivo pretender que o impacto no défice não seja significativo.

Em meados de novembro, o primeiro-ministro considerou ter sido “uma alteração essencial o facto de a Comissão Europeia ter autorizado a capitalização a 100 % pública deste banco”. António Costa sublinhou que “esse plano de capitalização, que é o essencial, está a decorrer normalmente, está em curso e será concluído no calendário previsto”, fazendo ainda referência a que os problemas do BPI e do BCP estão também em vias de ser resolvidos.

Relacionadas

CGD: Analistas esperam melhor conjuntura em março para a emissão de subordinadas

A emissão das obrigações de elevada subordinação deverá acompanhar o aumento de capital em dinheiro da CGD, e ambas as operações aguardam os resultados anuais do banco do Estado para que possam ser realizadas. Nessa altura o Novo Banco já foi vendido, o BCP já fez o grande aumento de capital e o Monte dei Paschi já foi nacionalizado.

CGD: Rui Vilar e João Tudela Martins renunciam para continuar com Paulo Macedo

Tiago Ravara Marques e Pedro Leitão, ambos administradores da CGD da equipa de António Domingues, negociaram a sua saída no fim deste mês e não vão integrar a nova administração liderada por Paulo Macedo.

Imparidades de 3 mil milhões na CGD vão ficar para 2017

O registo de imparidades deverá passar para o próximo ano e será já anunciado por Paulo Macedo. A conversão de ‘CoCos’ em capital e a transferência dos 50% da ParCaixa também podem derrapar.
Recomendadas

Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.
Comentários