Governo garante que não precisa do PERES para ficar com défice abaixo de 2,5%

Rocha Andrade garante à TSF que não precisa do perdão fiscal (PERES) para cumprir as metas. “Pode, isso sim, dar uma folga maior”

Cristina Bernardo

O Secretário de Estado Fernando da Rocha Andrade disse à TSF que o “Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) pode elevar a receita fiscal para cima, para além do défice de 2,4%”. Mas que não precisa desta medida para cumprir as metas.

Fernando da Rocha Andrade garante assim que o défice vai ser atingido “sem recurso a receita fiscal adicional”.

Na segunda-feira, o Governo enviou para Bruxelas o relatório de ação efetiva em que dá conta dos fatores que vão contribuir para um défice “seguramente abaixo de 2,5%”, nas palavras do Governo.

São os casos das cativações e dos PERES, o programa para regularizar dívidas com o Estado.

Em conferência de imprensa na sede nacional do PSD, Lisboa, Maria Luís Albuquerque, vice-presidente do partido, referiu-se aos resultados do Plano Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES) – que permitiram uma receita este ano superior a 500 milhões de euros, o que equivale,  a três décimas do Produto Interno Bruto – o Plano B que o Governo sempre negou.

A ex-ministra das Finanças disse o défice abaixo dos 2,5% é resultado em primeiro lugar de uma “redução brutal do investimento público, nunca vista desde a década de 50 do século passado” e de “medidas extraordinárias e irrepetíveis, portanto um plano B e um plano C”.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários