Governo gasta 150 mil euros para transportar militares romenos

O governo autorizou a Força Aérea a comprar, por ajuste direto, seis carrinhas para transportar militares romenos que vão iniciar formação em Portugal, num encargo total de 148 780 euros, segundo um despacho publicado em Diário da República. De acordo com o despacho, do contrato com a Roménia para a venda de F-16, decorre a […]

O governo autorizou a Força Aérea a comprar, por ajuste direto, seis carrinhas para transportar militares romenos que vão iniciar formação em Portugal, num encargo total de 148 780 euros, segundo um despacho publicado em Diário da República.

De acordo com o despacho, do contrato com a Roménia para a venda de F-16, decorre a obrigação da Força Aérea Portuguesa de assegurar o transporte desses militares entre a Base Aérea n.º5, em Monte Real, Leiria, e os locais de alojamento, “para além de outros encargos”.

O contrato assinado em 2013 com a República da Roménia para a venda de 12 aeronaves F-16 prevê a formação em Portugal dos militares romenos, pilotos e pessoal técnico, que irão operar aquelas aeronaves, durante um período de três anos.

De acordo com o porta-voz da Força Aérea, a Base Aérea n.5 não dispunha de meios para assegurar em contínuo o transporte daqueles militares, que ficam instalados em casas da FA na Marinha Grande.

O primeiro grupo de 30 pilotos da Força Aérea da Roménia já está em formação em Monte Real, adiantou.

A compra dos furgões por ajuste direto foi autorizada por ter ficado deserto o concurso aberto para esse fim, segundo o despacho assinado pelo ministro da Defesa, Aguiar-Branco.

O contrato, assinado em 2013, contempla a venda de 12 aparelhos – nove monolugares e três bi-lugares – num encaixe direto de 78 milhões de euros de um total de 181 milhões de euros, dos quais 47 milhões já foram pagos ao Governo português.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?