Governo quer aproveitar potencial inovador da blockchain

Entidades públicas e empresas uniram-se para aprofundar conhecimentos tecnológicos. REN, Fidelidade e Abreu Advogados já lançaram, através da Aliança Portuguesa de Blockchain, desafios  para que as empresas criem soluções com base em blockchain.

Arnd Wiegmann/Reuters

A recém-criada Aliança Portuguesa de Blockchain une empresários, académicos e entidades governamentais para aprofundar os conhecimentos sobre a tecnologia blockchain no sistema económico português. Através de um portal de sandboxes, de um roadshow universitário e empresarial e uma conferência final, o objetivo é potenciar a criação de projetos de blockchain portugueses.

A estimativa da aliança é que a blockchain – entre criptomoedas, smart contracts e outros meios – gere um valor acrescentado mundial de 3,1 biliões de dólares em 2030.

“Reconhecemos o carácter inovador e o potencial desta tecnologia”, afirmou Jorge Marques dos Santos, presidente da Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI), na apresentação da aliança, esta quarta-feira. “É importante estar na linha da frente dos desenvolvimentos tecnológicos e garantir que a economia e as empresas portuguesas aproveitam as potencialidades”.

Para isso, a Aliança Portuguesa de Blockchain irá promover uma série de iniciativas de sensibilização e informação para a tecnologia. No portal serão disponibilizados ambientes de desenvolvimento aplicacional (sandboxes), onde o objetivo é experimentar e desenvolver soluções com base em blockchain.

Já foram lançados três challenges (desafios criativos e tecnológicos com base em blockchain), todos eles em diferentes setores. No ramo da energia, a proposta foi lançada pela REN, no campo segurador, pela Fidelidade e na área dos smart contracts pela Abreu Advogados.

A aliança garante que os desafios são transversais a vários setores e que há outras propostas a serem desenvolvidas. O próximo desafio, que ainda não foi lançado mas já está decidido, será na área da mobilidade, pela EMEL.

“Neste momento estamos a negociar com uma entidade linhas de crédito para a criação de empresas com base em blockchain e estamos a trabalhar com investidores de private equity and business angels. Há dois prémios: um que é a adoção das ideias pelas empresas e o outro é que, caso as ideias sejam bem sucedidas, de certeza que haverá investidores que queiram apostar nessas ideias”, explicou Rui Serapicos, managing partner da CIONET Portugal, entidade promotora da aliança.

Apesar de considerar que a blockchain é uma “tendência global e de longo prazo”, que poderá ser um “poderoso aliado das empresas, incluindo PME”, Jorge Marques dos Santos sublinhou que em “tecnologias tão críticas como é o blockchain têm de garantir segurança”. Acrescentou que “não nos podemos esquecer que as tecnologias não substituem a capacidade de gestão”.

Além do instituto público, a aliança conta ainda com a CIONET, a Abreu Advogados, a AICEP, o BBVA, a BSCD, a Católica Lisbon School of Business & Economics, a EMEL, a ESPAP, a Fidelidade, a IBM, a IP Telecom, a Vodafone, entre outros.

Ler mais
Relacionadas

Visa investe em solução de pagamento com base na tecnologia blockchain

A blockchain não é a única inovação tecnológica para que a Visa está a olhar. A proliferação de ‘fintech’ e a entrada de grandes gigantes tecnológicas nos sistemas de pagamentos são questões vistas como positivas pela empresa, que procura novas parcerias.

Criada primeira associação portuguesa para utilizadores de moedas digitais

Em declarações à agência Lusa, o presidente da BTC, Fred Antunes, explicou que “era cada vez mais imperativo” criar esta associação – a primeira do género em Portugal –, por haver “um interesse cada vez maior à volta” da tecnologia ‘blockchain’ (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada) e da transação de moedas digitais.

Associação de Fintech: “Na banca, há cada vez mais interesse em Blockchain”

No evento Bit & Block: A cor do dinheiro, o administrador da Associação Portuguesa de Fintech e Insurtech explicou que tanto instituições financeiras tradicionais como reguladores em Portugal não querem passar ao lado das potencialidades da tecnologia por trás das criptomoedas.

As ‘cripto’ são moda, mas o Blockchain tem potencial para ficar (e até a Europa já percebeu)

As potencialidades do Blockchain vão além do mero investimento, mas a complexidade e a obsessão com as criptomoedas (positiva ou negativa) está a relegar a tecnologia para segundo plano. Bruxelas já avisou que os estados-membros têm, no entanto, de tentar aproveitar a inovação.
Recomendadas

GoParity na corrida para ser uma das 40 vencedoras do World Summit Awards

A ‘shortlist’ final será conhecida em novembro. Os 40 vencedores vão participar no WSA Global Congress 2020, a acontecer em março, em Viena, numa cerimónia em que serão eleitos os oito ‘Global Champions’.

8chan. A casa online dos neonazis continua offline depois do massacre no Texas

O atentado na Nova Zelândia foi o primeiro de quatro a ser anunciado nesta plataforma. Depois do ataque perpetrado contra muçulmanos, o autor do tiroteio em El Paso, Texas, que tirou a vida a menos 22 pessoas usou a mesma fonte para deixar a sua mensagem de supremacia branca.

Oito portugueses entre os vencedores do maior programa universitário de inovação digital da Europa

O European Innovation Academy é o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa. A terceira edição realizou-se entre os dias 14 de julho e 2 de agosto. Há oito portugueses entre os vencedores, com projetos que vão desde apoio a invisuais e a crianças com doenças crónicas até bicicletas com airbaigs.
Comentários