Governo quer fechar acordo com os professores até setembro

“O Governo já disse que ia reconhecer dois anos, nove meses e 18 dias”, disse um ministro do Governo de António Costa, em declarações ao Público, explicando que as negociações estão em curso.

O Governo pretende fechar, até setembro, as negociações sobre o reconhecimento progressivo do tempo de serviço na carreira dos professores. Segundo o jornal Público, o acordo com a plataforma de sindicatos de professores, em particular com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) é crucial para que o Orçamento do Estado para 2019 seja aprovado pelos parceiros de governação da ‘geringonça’.

“O Governo já disse que ia reconhecer dois anos, nove meses e 18 dias”, disse um ministro do Governo de António Costa, em declarações ao Público, explicando que as negociações estão em curso. “Agora, é acertar as contas. O Governo diz que reconhecer tudo o que os professores pedem custa 600 milhões, os professores dizem que é um terço disso. Chegaremos a um consenso”.

A questão da progressão na carreira dos professores não precisa necessariamente de ser integrada nas negociações do Orçamento do Estado para 2019. No entanto, o impacto direto dos gastos com salários e reformas na despesa pública, irá ter implicações orçamentais que serão discutidas com os parceiros, de acordo com o Público.

Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.
Comentários