Governo vai apresentar propostas a parceiros sociais para combater precariedade

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apresenta esta sexta-feira na reunião da Concertação Social as propostas para limitar os contratos a termo e dinamizar a contratação coletiva, com centrais sindicais e confederações patronais a defenderem posições distintas.

Cristina Bernardo

O primeiro-ministro, António Costa, comentou hoje, em Bruxelas, que as propostas que o ministro do Trabalho apresenta esta sexta-feira na reunião da Concertação Social “é aquilo que consta do Programa de Governo” e visa “combater a precariedade”.

“O que iremos apresentar é aquilo que consta do Programa de Governo, que é conhecido há dois anos e meio, que será agora concretizado pelo senhor ministro do Trabalho logo à tarde, na reunião da Concertação Social, e que visa combater a precariedade e reforçar a estabilidade e a qualidade do trabalho em Portugal”, declarou, quando questionado sobre o assunto durante a conferência de imprensa após participar no Conselho Europeu.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apresenta esta sexta-feira na reunião da Concertação Social as propostas para limitar os contratos a termo e dinamizar a contratação coletiva, com centrais sindicais e confederações patronais a defenderem posições distintas.

Na quinta-feira, a revista Visão divulgou parte de uma entrevista ao primeiro-ministro, na qual António Costa antecipava que o Governo vai apresentar aos parceiros sociais uma nova taxa para penalizar as empresas que abusem da contratação a prazo e propor o fim do banco de horas individual.

Na sequência da divulgação da entrevista, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, afirmou apenas que hoje será apresentado um “conjunto de propostas”, recusando apresentar mais detalhes aos jornalistas, até porque tinha assumido o compromisso de apresentar a proposta aos parceiros sociais.

O anúncio de António Costa não foi bem recebido pelas confederações patronais. António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), recusou que a Concertação Social seja tratada como uma caixa do correio que recebe decisões já tomadas, e João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), admitiu alguma “falta de consideração” do Governo pelos parceiros sociais.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários