Grupo Lusiaves abre mais 30 postos de trabalho para vítimas do incêndio em Pedrógão

Além do total de 80 vagas de trabalho, o grupo oferece o transporte diário aos funcionários e doou, ainda, 200 sacos de ração para alimentar os animais “vítimas” do incêndio.

O grupo Lusiaves abriu 80 vagas de trabalho dirigidas às vítimas dos fogos que deflagraram em Pedrógão Grande. Inicialmente o grupo apresentou 50 vagas, tendo disponibilizado mais 30 de forma a dar a oportunidade a mais pessoas afetadas pela catástrofe que se fez sentir em Portugal, avança o Notícias ao Minuto.

Avelino Gaspar, presidente do grupo, sediado em Marinha da Ondas, na Figueira da Foz, vai, esta sexta-feira, aos concelhos mais afetados pelos incêndios para prestar esclarecimentos. O grupo é, atualmente, composto por 3,100 colaboradores diretos e dois mil indiretos.

A sessão de esclarecimento, a decorrer na junta de freguesia de Castanheira de Pêra, está marcada para as 10 horas. Duas horas depois, Pedrógão Grande receberá informações, e às 15 horas, o presidente vai marcar presença no Centro de Emprego de Figueiró dos Vinhos.

Além das 80 vagas de trabalho, o grupo Lusiaves oferece o transporte diário aos funcionários e fez, ainda, uma doação de 200 sacos de ração para alimentar os animais “vítimas” do incêndio.

Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.
Comentários