Guerra de preços reacende clima de tensão entre privados e ADSE

ADSE quer que os hospitais privados divulguem o valor pelo qual compraram as próteses que colocam nos pacientes, enquanto os privados consideram essa obrigação como ilegal.

O conselho diretivo da ADSE e a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) continuam sem chegar a um acordo sobre as regras que a ADSE pretende colocar, de forma a controlar os gastos do sistema de assistência na doença dos funcionários e aposentados do Estado, revela o jornal “Público”.

Na base desta nova polémica está um e-mail que o conselho diretivo enviou aos prestadores de cuidados de saúde com os quais tem convenção, pedindo que passem a divulgar o valor das próteses. No entanto a APHP quer negociar, já que considera ilegal este pedido.

Este pedido da ADSE tem como objetivo cumprir o Decreto-Lei de Execução Orçamental (DLEO), que prevê a margem de comercialização dos dispositivos médicos deve ter um limite máximo. Estes novos procedimentos vão estar disponíveis já a partir de 1 de agosto, sendo aplicados a todos os atos médicos realizados a partir de 1 de outubro.

Outras medidas que deverá entrar em vigor já a partir de quarta-feira prevê a identificação do médico prescritor ou responsável pelo ato ou cuidado de saúde prestado ao beneficiário da ADSE.

Recomendadas

“Dietas milagrosas” contrariam forma saudável de perder peso, alerta Deco

Para perder peso e manter a saúde, a dieta deve ser variada, eliminar os alimentos hipercalóricos, contemplar nunca menos de 1200 quilocalorias diárias (no caso das mulheres) e 1500 quilocalorias (no caso dos homens).

Gastos irregulares de cinco hospitais públicos sob suspeita

Inspeção-Geral das Atividades em Saúde realizou auditorias a cinco hospitais públicos e encontrou gastos irregulares no valor de 23,5 milhões de euros. 

Saúde. Privados investem 750 milhões de euros na criação de 19 hospitais até 2020

O grande reforço da oferta privada é em Lisboa e no Porto. Mas também há uma aposta em novas regiões como na Madeira, Açores, Vila Real ou Viseu, de acordo com o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Óscar Gaspar.
Comentários