Há 9.495 casais em que ambos estão desempregados

Número caiu 17,6% em comparação com o mesmo mês do ano passado (menos 2.030 casais) e 4,9% relativamente ao mês anterior (menos 487 casais).

O número de casais em que ambos os cônjuges estão desempregados era, em maio, de 9.495, número inferior em 17,6% em comparação com o mesmo mês do ano passado (menos 2.030 casais) e em 4,9% relativamente ao mês anterior (menos 487 casais).

O número consta das estatísticas mensais divulgadas hoje pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Do total de desempregados inscritos nos centros de emprego, havia em maio 18.990 (10,3%) com registo de que o seu cônjuge está igualmente inscrito como desempregado, avança o IEFP. Assim, o número de casais em que ambos os cônjuges estavam registados como desempregados era de 9.495.

A recolha da informação feita pelo IEFP relativa à situação laboral do cônjuge é efetuada apenas para os candidatos que, no seu estado civil, estejam sinalizados como casados ou em situação de união de facto.

No final de maio, estavam registados nos serviços de emprego do Continente 404.470 desempregados, dos quais 45,5% eram casados ou viviam em situação de união de facto, perfazendo um total de 183.847 desempregados.

O montante diário do subsídio de desemprego é majorado em 10% quando, no mesmo agregado familiar, ambos os cônjuges ou pessoas a viver em união de facto estejam a receber subsídio de desemprego e tenham filhos ou equiparados a seu cargo.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários