“Haircut teria consequências calamitosas”

“Uma solução com ‘haircut’ não seria impossível [de fazer] mas teria custos elevadíssimos, extraordinários, para Portugal”, defendeu Joaquim Miranda Sarmento, numa conversa com jornalistas para apresentar um estudo da Plataforma para o Crescimento Sustentável sobre a dívida portuguesa.

A solução para a dívida pública portuguesa não pode passar por um ‘haircut’, defendem os autores do estudo “Que caminhos para a dívida pública portuguesa”, hoje apresentado pela Plataforma para o Crescimento Sustentável (PCS).

“Uma solução com ‘haircut’ não seria impossível [de fazer] mas teria custos elevadíssimos, extraordinários, para Portugal”, defendeu Joaquim Miranda Sarmento, numa conversa com jornalistas que teve lugar esta manhã.

“Uma grande parte da dívida pública está em mãos nacionais – na poupança dos portugueses e no sector financeiro – e qualquer solução de haircut teria um impacto muito negativo”, defendeu o economista, que coordenou a equipa responsável pelo estudo.

No âmbito do estudo, foram analisados diferentes cenários de ‘haircut’ da dívida e suas consequências:

 

CENÁRIOS DE ‘HAIRCUT ANALISADOS’:

Os economistas da PCS analisaram vários cenários possíveis de ‘haircut’ da dívida, solução que rejeitam devido às consequências para o país.

  • Haircut de 100% da dívida dos privados: isto permitiria baixar a dívida pública para 83% do PIB e poupar juros de 2% do PIB. No entanto, as consequências seriam a saída de Portugal dos mercados financeiros, tanto a nível da República como do sector privado. “Uma situação próxima daquela que ainda hoje se depara a Argentina, na sequência do default de 2001”, disse Miranda Sarmento. Acrescentou que, tendo em conta a elevada exposição dos bancos portugueses à dívida pública, seria necessária uma intervenção no setor financeiro que poderia passar por uma “solução à Chipre”, com os depositantes dos bancos a terem de suportar uma parte dos custos.
  • Haircut de 100% da dívida em Obrigações do Tesouro, incluindo o BCE e o BdP: a dívida passaria de 130% para 64% do PIB e os juros seriam reduzidos em 2,5% do PIB. Teria como consequência a saída de Portugal dos mercados financeiros, uma necessidade de recapitalização do sistema financeiro (com um ‘levy’ sobre os depósitos), a falência do Fundo de Capitalização da Segurança Social e a possível saída da zona euro, defendem os autores do estudo.
  • Reestruturação da dívida dos instrumentos europeus: Este cenário passaria por três hipóteses: a extensão das maturidades, o diferimento dos juros até 2025 e o haircut da dívida dos intrumentos euripeus. “Uma opção destas não está prevista nos instrumentos europeus. Como tal, ou teria o apoio de todos os Estados membros (algo altamente improvável) ou implicaria a saída de Portugal da zona euro, com consequências calamitosas”.
Ler mais

Relacionadas

Economistas propõem “solução sustentável” para a dívida portuguesa

Economistas da Plataforma de Crescimento Sustentável, liderada por Moreira da Silva, defendem que será possível reduzir a dívida pública dos actuais 130% para menos de 100% do PIB, em 10 a 15 anos, através de uma combinação de saldos primários na ordem dos 3% do PIB com um crescimento nominal acima dos 3%. E rejeitam “soluções milagrosas” para a dívida, como um ‘haircut’ que, garantem, teria consequências “calamitosas”.

‘Eurobonds’ permitiriam poupança de 900 milhões por ano

Os autores do estudo estimam que as poupanças para a República seriam de 0,5% do PIB, ou seja, na ordem dos 900 milhões de euros, assumindo que as condições de financiamento do país se mantém e que o financiamento do futuro tesouro europeu será feito em condições semelhantes às do ESM.

Quem detém a dívida pública portuguesa?

Os investidores privados detém 174 mil milhões de euros dos 240 mil milhões de euros em dívida pública portuguesa. O sistema financeiro português – bancos e seguradoras – tem cerca de 53,5 mil milhões de euros.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários