Hells Angels: Ministério Público pede prisão preventiva para 54 dos 58 detidos em Portugal

O Ministério Público pediu esta segunda-feira prisão preventiva para 54 dos 58 detidos em Portugal no âmbito do processo do grupo de motociclistas Hells Angels, avançou um dos advogados de defesa.

A medida de coação máxima foi pedida para quase todos os 59 detidos, sendo que um deles está na Alemanha.

O Ministério Público começou esta manhã a apresentação das medidas de coação, devendo o tribunal ouvir depois os advogados de defesa.

A sessão estava marcada para as 9h30 no Campus da Justiça, em Lisboa, depois de, no fim de semana, terem sido terminados os interrogatórios aos 58 arguidos do grupo de motociclistas detidos em Portugal.

Os interrogatórios, que demoraram três dias, foram feitos no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, perante a juíza Maria Antónia Andrade.

Desconhece-se ainda se a juíza vai proferir o despacho com as medidas de coação hoje, já que ainda terá de ouvir os advogados de defesa.

O processo envolve acusações de associação criminosa, tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física e tráfico de droga.

A investigação do caso dos Hells Angels foi elaborada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e pela Unidade Nacional Contraterrorismo da Polícia Judiciária e os mandados de busca e de detenção foram executados na quarta-feira passada.

Ler mais
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários