Hotelaria continua em alta: ocupação atinge 77% em outubro

A taxa de ocupação na hotelaria nacional em outubro último foi de 77%, representando um aumento de 4,4 p.p. face a outubro de 2015.

Ainda segundo os resultados de outubro de 2016 do AHP Tourism Monitor, programa exclusivo de dados da Hotelaria em Portugal, lançado pela AHP – Associação da Hotelaria de Portugal, todas as categorias hoteleiras assinalaram um aumento da taxa de ocupação, mas são de destacar as unidades de quatro estrelas, com uma variação de mais 6,2 p.p.

Em idêntico ritmo de crescimento encontra-se o preço médio por quarto ocupado, com uma subida de 11,9% no total da hotelaria nacional, com as unidades de cinco estrelas a registarem uma variação próxima dos 14%, e o RevPAR – preço médio por quarto disponível – com um aumento de 18,7%.

A receita média por turista foi outro dos indicadores em crescimento, subindo 11,5% face a outubro de 2015 e aproximando-se dos 120 euros, e a estada média na hotelaria também registou um aumento de 5,5%, correspondendo a 1,91 dias em outubro de 2016.

Sobre os números alcançados em outubro passado, Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP, reforça que foi “um excelente mês que permitiu reforçar o crescimento do setor mantendo-o, ainda, em velocidade de cruzeiro, prolongando o verão”. Foi, até ao momento, “o melhor mês em variação no preço médio por quarto ocupado e o segundo melhor mês em variação em Taxa de Ocupação e RevPAR, com destaque nos destinos de Lisboa, Madeira e Grande Porto”, conclui Cristina Siza Vieira.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários