IHS Markit: crescimento económico da zona euro recua ligeiramente em fevereiro

O indicador que mede a saúde económica da indústria transformadora caiu de 59,6 para 58,6 pontos, apesar de a recuperação da economia do bloco europeu se manter robusta.

O crescimento económico da zona euro recuou ligeiramente em fevereiro, segundo o Índice de Gestores de Compras (PMI) revelado esta quinta-feira pelo IHS Markit. O indicador que mede a saúde económica da indústria transformadora caiu de 59,6 para 58,6 pontos, apesar de a recuperação da economia do bloco europeu se manter robusta.

Os dados ficaram acima das previsões dos analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que apontavam para os 58,5 pontos. O índice ficou bem acima da marca dos 50 pontos, que separam o crescimento da contração, o que revela que a economia da zona euro continua ainda a trajetória de crecimento.

“O PMI médio do primeiro trimestre até agora é o segundo maior desde a primavera de 2000, caíndo ligeiramento em comparação com o pico quase recorde observado no quarto trimestre do ano passado”, explica Chris Williamson, economista-chefe de negócios da IHS Markit.

No entanto, a taxa de inflação na zona euro desacelerou para 1,2%, segundo os dados provisórios do gabinete de estatísticas da União Europeia (UE) revelados esta quarta-feira. O Eurostat indica que este é o terceiro mês de abrandamento da taxa de inflação, o que veio confirmar a ideia do Banco Central Europeu (BCE) de que a subida dos preços ao consumidor está dependente dos estímulos financeiros, que o regulador está agora a reduzir.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários