Imperial Tobacco congratula-se com aprovação da nova Lei do tabaco

Foi hoje aprovada a nova lei do tabaco que proíbe os consumidores de cigarros sem combustão (tabaco aquecido) de fumar em espaços fechados, passando a ter as mesmas regras dos cigarros eletrónicos e do tabaco tradicional.

A Lei do Tabaco tornou-se numa “lei equilibrada, ponderada e importante em termos de prevenção”, devido às alterações hoje aprovadas na Assembleia da Repúlica, reconhece a Imperial Tobacco, considerada a segunda maior tabaqueira a operar em Portugal, de acordo com o comunicado enviado à redação do Jornal Económico.

João Pedro Lopes, responsável pelos assuntos institucionais da Imperial Tobacco Portugal, admite que, com esta votação final, fecha-se um ciclo de indefinição face ao conceito de “fumar”, equiparando os cigarros eletrónicos e os novos produtos sem combustão aos cigarros tradicionais.

“No anterior projeto-lei estes novos produtos eram privilegiados em termos fiscais comparativamente ao tabaco tradicional e poderiam ser alvo de promoção e publicidade o que era totalmente contra o espírito de uma lei que tem como objetivo proteger a saúde dos cidadãos”, declara João Pedro Lopes.

O responsável avança, também, que neste momento, “o importante é as tabaqueiras juntarem esforços com as autoridades no combate ao contrabando” uma vez que “o aumento da carga fiscal e o consequente aumento do preço dos cigarros” não têm tido qualquer efeito na redução do número de fumadores portugueses “mas sim levado ao aumento do consumo de tabaco contrafeito, comercializado a preços marginais e sem qualquer controlo”.

Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários