Independentemente do Governo, restrições financeiras vieram para ficar

O economista Eduardo Catroga alertou que as restrições financeiras vão manter-se nos próximos anos qualquer que seja o Governo, apelando a um acordo partidário para uma estratégia de médio prazo de equilíbrio das contas públicas. “Qualquer que seja o Governo nos próximos anos, eu costumo dizer aos meus amigos de esquerda: têm de interiorizar que […]

O economista Eduardo Catroga alertou que as restrições financeiras vão manter-se nos próximos anos qualquer que seja o Governo, apelando a um acordo partidário para uma estratégia de médio prazo de equilíbrio das contas públicas.

“Qualquer que seja o Governo nos próximos anos, eu costumo dizer aos meus amigos de esquerda: têm de interiorizar que há restrições financeiras. O total da despesa não pode ultrapassar um determinado montante nos próximos anos, porque o total da receita do Estado também não pode”, alertou Eduardo Catroga.

O ex-ministro das Finanças de Cavaco Silva falava numa conferência sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2015, que decorreu em Lisboa e foi organizada pela sociedade de advogados Rogério Fernandes Ferreira e Associados.

“Já esgotámos as receitas extraordinárias, já esgotámos a capacidade de aumentar os impostos, já esgotámos a capacidade de vender os anéis e os dedos e os credores não deixam, e bem, aumentar o endividamento; portanto temos de ajustar a receita à despesa”, afirmou Eduardo Catroga.

Para o economista, “o caminho” para o equilíbrio orçamental e para a estabilização e decréscimo da dívida pública “tem de ser um grande desígnio nacional, nomeadamente dos três partidos do arco do poder”.

“Nós nos próximos anos temos de continuar o processo de ajustamento das contas públicas, das contas externas, do fortalecimento do sistema bancário, do financiamento à economia. Isto é austeridade? Não é. É necessidade de virarmos o modelo de crescimento”, afirmou, acrescentando que esse processo “vai demorar entre 10 a 15 anos”.

Na sua intervenção, Eduardo Catroga alertou ainda para alguns riscos de execução da proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano, como o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) real “ser inferior ao previsto”, devido ao abrandamento das economias europeias, e o deflator do PIB previsto “não ser viável”.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?