Inovação e empreendedorismo

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

Atualmente, a palavra startup já entrou no vocabulário português e é frequentemente associada a contextos sobre empreendedorismo e inovação. Estes três conceitos (startup, empreendedorismo e inovação) são agora cruciais para as seguradoras no ramo Vida singrarem num mundo que caminha, a passos largos, para a digitalização. As empresas que resistirem à mudança e à adoção destes novos conceitos, arriscam-se a não conseguir responder efetivamente às necessidades da nova geração de consumidores.

Mas de que forma podem as empresas, já implementadas no mercado, conjugar esforços com as startups para lidar com a nova forma dos consumidores de contratarem produtos? A resposta é simples: aplicar a inovação e empreendedorismo das startups ao know-how das seguradoras, acrescentando mais-valias à cadeia de valor.

Conjugando esforços é possível reformular a forma como as empresas se envolvem com os clientes, ao colocar em prática ideias inovadoras que renovam “fórmulas e estratégias” de negócio. Desta forma, não só é possível responder adequada e efetivamente às necessidades do consumidor, como em última análise, levar o setor dos seguros a acelerar na era digital.

Há que aplicar as novas tecnologias à cadeia de valor de uma empresa para que esta possa fornecer a melhor resposta ao cliente, conhecendo e focando-se nas necessidades que este tem. Neste ponto as startups representam uma mais-valia.

Isto porque são conhecidas pela sua tecnologia inovadora e ideias disruptivas que, podem ser inseridas nos sistemas legados e estratégia de negócio das empresas incumbentes, para responder a novas oportunidades de negócio e às atuais exigências do cliente do século XXI.

Acelerar o negócio com a introdução de ideias desafiadoras que inovem internamente, mas que também levem as seguradoras a ter uma nova perspetiva e, consequentemente, a oferecer uma experiência diferenciadora ao cliente que perdure no tempo, pode ser alcançado com uma sinergia de forças.

E é neste ponto que as startups são uma mais-valia, na medida que com a sua inovação e empreendedorismo podem efetivamente alterar a indústria com a aplicação de tecnologias que permitem às empresas de seguros focar-se no cliente e em fornecer-lhe efetivamente o que ele necessita, quando e onde ele quiser em qualquer momento da sua vida.

Recomendadas

CGD avalia ações contra gestores que aprovaram crédito a Vale do Lobo

Advogados da CGD estão a avaliar ações cíveis contra gestores da administração de Santos Ferreira que deram ‘luz verde’ a operação Vale do Lobo. Parecer é entregue após o verão para decisão final.

JP Morgan bem posicionado para liderar entrada em bolsa da WeWork

Dona da WeWork vai emitir obrigações até seis mil milhões de dólares e fontes próximas da empresa revelaram que a instituição financeira que montar esta operação poderá ter papel ativo na entrada em bolsa da WeWork.

Sete anos após a sua criação, a Lone Star poderá querer vender Novo Banco em 2021

Na conferência de imprensa de apresentação de resultados relativos a 2018, António Ramalho, CEO do Novo Banco admitiu que a instituição financeira poderá obter resultados positivos em 2021. Em Portugal, o Millennium bcp e o Santander Totta poderão entrar na corrida que deverá ter sempre a autorização do Banco Central Europeu.
Comentários