Investimento de 10 milhões em Oliveira de Frades para produzir painéis inovadores

O grupo Caves da Montanha está a investir dez milhões de euros numa fábrica em Oliveira de Frades, na qual em janeiro de 2018 começarão a ser produzidos painéis de revestimento para fachadas de edifícios 100% recicláveis e resistentes ao fogo.

“Há dois anos, começámos a investigar os painéis e fundámos a Minercell. Montámos um laboratório, começámos a investigar e o laboratório foi crescendo. Entretanto, começámos a construir uma fábrica, que ainda não está pronta, para produzir os painéis em grandes séries”, explicou à agência Lusa Alberto Henriques, da Caves da Montanha.

Os incêndios de outubro de 2017, que atingiram fortemente a zona industrial de Oliveira de Frades, onde se localiza a Minercell, atrasaram este projeto em mais de um ano.

“Nos incêndios de outubro, o laboratório e os escritórios desapareceram e ficaram terraplanados. A parte da fábrica que estava a ser construída não foi afetada”, contou.

Segundo Alberto Henriques, “fisicamente, a Minercell não teve um prejuízo assim muito alto, foi de cerca de 500 mil euros”, mas “os testes, as investigações, os planos de fornecimento, as fórmulas, os projetos, desapareceu tudo”.

“Isso atrasou-nos o projeto mas, no entanto, a fábrica continua a ser feita. O laboratório, que seria a pré-preparação para depois a fábrica entrar logo em funcionamento, perde um bocadinho essa função, porque a fábrica vai entrar em funcionamento quase ao mesmo tempo do que o laboratório”, explicou.

O responsável frisou que da fábrica da Minercell sairá “um produto completamente inovador, que não existe em mais lado nenhum”, os ‘bioboard’.

“É uma inovação mundial, que se propõe a fazer o que outros produtos fazem, mas com melhores características. Vamos vender painéis 100% amigos do ambiente e recicláveis e que têm a grande particularidade de serem à prova de fogo”, realçou.

Alberto Henriques disse que “o grande mercado deste produto é o internacional”, sendo Alemanha, França, Holanda, Bélgica e Grã-Bretanha os principais consumidores.

Quando expostos a incêndios, os ‘bioboard’ resistem às chamas e às altas temperaturas (incombustível Classe A1), permitindo mais segurança, aliada ao controle e ao combate mais eficaz de incêndios.

“Produzidos com recurso a matérias-primas nacionais, os ‘bioboard’ possuem uma forte resistência mecânica, aliada a um baixo consumo de energia. São 100% reutilizáveis e amigos do ambiente, não contendo formaldeído. Quando expostos à água e a outros elementos climatéricos, não se degradam, nem libertam resíduos”, explica a empresa.

Segundo a empresa, para dar resposta às necessidades específicas dos clientes e dos projetos, serão produzidos “painéis com design inovador, feitos à medida e às necessidades tecnológicas de cada projeto”, havendo “inúmeros modelos de painéis, em diferentes formatos, dimensões e cores”.

Os ‘bioboard’ já foram apresentados em feiras do setor da construção em Londres, Paris e Munique, tendo o metro londrino mostrado interesse em usá-los para revestir algumas das suas estações.

Com sede em Anadia, o grupo Caves da Montanha é também produtor de espumantes da Bairrada e efetua investimentos no setor imobiliário, concretamente na construção e reabilitação de centros comerciais.

Ler mais
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários