Irlanda: vitória de dois terços do “sim” no referendo aprova legalização do aborto

O resultado indica que 66,4% dos eleitores votaram a favor da mudança constitucional, anunciou a comissão eleitoral irlandesa, um resultado que o primeiro-ministro irlandês Leo Varadkar qualificou de “revolução tranquila”, com uma participação de 64,1% dos votantes.

Os irlandeses aprovaram este sábado por maioria de quase dois terços – 66,4% -, a legalização do aborto, num referendo histórico realizado num país de forte tradição católica, segundo os resultados finais anunciados.

O resultado indica que 66,4% dos eleitores votaram a favor da mudança constitucional, anunciou a comissão eleitoral irlandesa, um resultado que o primeiro-ministro irlandês Leo Varadkar qualificou de “revolução tranquila”, com uma participação de 64,1% dos votantes.

De acordo com os primeiros resultados, 60,19% dos eleitores de Galway Leste, primeira circunscrição com a contagem feita sobre 40 existentes, disseram ser favoráveis à despenalização da legislação, atualmente uma das mais restritivas da Europa, anunciou o centro de contagem central baseado em Dublin.

Para o primeiro-ministro irlandês, em declarações ao canal público RTE, este é o culminar de “uma revolução silenciosa que ocorreu na Irlanda nos últimos dez ou 20 anos”.

“As pessoas disseram que queremos uma Constituição moderna para um país moderno, que confiamos e respeitamos as mulheres para tomarem as decisões corretas sobre a sua própria saúde”, acrescentou.

O primeiro-ministro prometeu elaborar um projeto de lei até ao verão, para aprovação antes do final do ano pelo parlamento, onde o texto deve ser adotado sem dificuldade, já que os líderes dos dois principais partidos da oposição, Fianna Fail e Sinn Fein, apoiam a reforma.

O governo vai reunir-se, para tratar do assunto, na terça-feira.

O Governo irlandês defende que as mulheres sejam autorizadas a interromper a gravidez nas primeiras 12 semanas, com assistência médica certificada.

Os profissionais de saúde terão o dever de falar e debater a opção pelo aborto com a grávida, que terá de respeitar um período de três dias de reflexão.

Terminado este prazo, e se mantiver a sua vontade, poder-se-á realizar a interrupção voluntária da gravidez.

Ler mais
Relacionadas

Referendo: primeiros resultados indicam que Irlanda irá legalizar aborto

“Parece que vamos fazer história”, escreveu o primeiro-ministro da Irlanda Leo Varadkar, no Twitter, após a publicação das sondagens. “É a democracia em ação”.

Portugal mantém 14º lugar em ‘ranking’ de serviços de saúde europeus

Entre os 35 países avaliados, Portugal obteve a 14.ª posição, a mesma que já tinha obtido em 2016, continuando ainda de fora do “clube dos 800”, ou seja, dos países que obtiveram 800 pontos nos indicadores avaliados, para os quais o máximo é mil.

Cresce a contestação ao acordo de Theresa May com o DUP

O partido irlandês, que chegou a ser responsável pela formação de grupos paramilitares, conseguiu um pacote de mil milhões de libras para infraestruturas. Escócia e Pais de Gales querem um igual.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários