IRS: prazo para entregar declaração (sem pagar multa) termina amanhã

Prazo para entrega do IRS acaba em 1 de junho por 31 de maio ser feriado. Finanças avançam que, até terça-feira, quase cinco milhões de portugueses já tinham entregue as declarações.

Cristina Bernardo

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais (SEAF) anunciou que o prazo para a entrega do IRS termina em 1 de junho, dado 31 de maio ser feriado, e adiantou que quase cinco milhões de portugueses já entregaram as declarações.

Segundo António Mendonça Mendes, “o prazo acaba no dia 31 de maio, que é um dia feriado, e nos termos da lei os prazos que terminam em dia feriado passam para o primeiro dia útil seguinte. Por isso, de acordo com lei, o prazo acabará no dia 01 de junho”. O SEAF  afirma estar “convencido” de que convencido de que o processo estará “completamente concluído” nesta sexta-feira, 1 de junho.

O governante deu ainda conta, nesta terça-feira, 29 de maio, que “quase cinco milhões de portugueses já cumpriram a sua obrigação” de entrega da declaração do IRS, enquanto já foi feita “a liquidação de mais de 90% dessas mesmas declarações”. Segundo as Finanças, registou um aumento de 5% do número de declarações já entregues face ao ano passado.

Relacionadas

Estado arrecadou mais 160 milhões de euros em impostos

O crescimento da receita fiscal abrandou em abril devido aos reembolsos de IRS e de IVA que totalizaram os 550 milhões de euros. Impostos indirectos continuam a suportar receita com destaque para o ISP que superou a fasquia dos mil milhões de euros de receita.

Impostos: quanto renderam e quanto subiram no ano passado

Saiba aqui quanto rendeu cada imposto e qual foi a sua evolução em 2017. Todos garantiram aumento de receita, excepto o IRS. O IVA foi o campeão de receita e é um dos impostos que explica o aumento da carga fiscal, a par do IRC. Estes dois impostos representam mais de metade dos 3,3 mil milhões de euros de peso na economia do conjunto da receita de impostos.

Carga fiscal aumentou 3,3 mil milhões de euros em 2017

A carga fiscal aumentou para 34,7% do PIB em 2017, contra os 34,3% no ano anterior. O nível mais alto desde 1995 devido ao aumento dos impostos e das contribuições para a Segurança Social, revela o Instituto Nacional de Estatística, que avalia em 67 mil milhões de euros, mais 3,3 mil milhões face ao ano anterior. IVA e IRC representam mais de metade deste aumento.

Carga fiscal atinge recorde em 2017, confirma INE

A carga fiscal aumentou para 34,7% do PIB em 2017, contra os 34,3% no ano anterior. O nível mais alto desde 1995 devido ao aumento dos impostos e das contribuições para a Segurança Social, que aumentaram mais do que a económica, revela o Instituto Nacional de Estatística esta segunda-feira.
Recomendadas

Saiba quais as medidas de segurança nos locais destinados à dança

É obrigatório ter serviço de vigilância com recurso a segurança privada, aplicável obrigatoriamente em espaços com lotação igual ou superior a 200 pessoas.

Está à procura de um sítio para ficar estas férias? Deco sugere Eco Hotel

Ao estar a selecionar a opção de ficar num alojamento Ecológico, está também a contribuir para garantir mais sustentabilidade e um meio ambiente muito melhor.
Comentários