IRS reduzido para trazer Agência Europeia do Medicamento para Lisboa

“Sentimos que é uma candidatura com hipóteses, mas sabemos que a decisão é muito política”, sublinha a presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado.

Lisboa pode vir a receber a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) se esta vier a ser deslocada de Londres, na sequência do processo de saída do Reino Unido da União Europeia. Apontada como uma das favoritas na corrida à EMA, a capital lisboeta tenta aliciar a vinda da agência com um regime fiscal especial, em que o IRS não deverá ultrapassar os 20%.

Segundo avança o ‘Jornal de Notícias’, o Governo está a dar prioridade às questões relacionadas com a integração da família. No caso de Lisboa ser escolhida para receber a EMA, será criado um balcão único para ajudar os cerca de 900 funcionários, acompanhados de 600 cônjuges e 600 filhos, a alugar casa, encontrar emprego para os cônjuges e escola para os filhos. Além disso, as famílias beneficiarão de um IRS mais reduzido.

“Já está acordado com o Ministério das Finanças que o escalão máximo será de 20%. E sabemos que é um dos mais amigáveis”, referiu Maria do Céu Machado, presidente do Infarmed.

A deslocação da EMA vai implicar também a escolha de um local para receber as novas instalações da EMA. Maria do Céu Machado avança que há pelo menos dois edifícios identificados, um deles no centro da cidade, e dois terrenos na zona da Expo, “mas onde os edifícios teriam de ser construídos de forma muito célere”.

“Sentimos que é uma candidatura com hipóteses, mas sabemos que a decisão é muito política”, sublinha Maria do Céu Machado.

A candidatura terá de ser entregue até 31 de julho, sendo que a escolha final entre as cerca de vinte cidades na corrida será conhecida em outubro, depois da decisão do Conselho Europeu.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários