Jerónimo de Sousa alerta para a formação de “Bloco Central informal” entre PS e PSD

De acordo com o líder comunista, a convergência do PS com os partidos à sua direita “ficou bem patente no bloco de oposição que formou contra as propostas do PCP de alteração às normas gravosas da legislação laboral”.

O secretário-geral do PCP afirmou hoje que está em curso no país um “Bloco Central informal” entre PSD e PS, convergência em que os sociais-democratas já preparam uma revisão constitucional a pretexto de uma reforma na justiça.

Esta análise foi feita por Jerónimo de Sousa no encerramento de uma conferência nacional promovida pelo PCP sobre educação, intitulada “A escola pública” e que decorreu na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

De acordo com o líder comunista, a convergência do PS com os partidos à sua direita “ficou bem patente no bloco de oposição que formou contra as propostas do PCP de alteração às normas gravosas da legislação laboral”.

“A opção do PS de se unir na votação ao PSD e CDS no chumbo das iniciativas do PCP mostra que há muito a fazer para remover a velha política que indistintamente governos de uns e de outros levaram à prática no país com graves consequências sociais. É significativo o posicionamento do PS e a sua convergência com PSD e CDS e não pode deixar de ser reconhecido como um momento marcante da nova fase da vida política nacional”, advertiu Jerónimo de Sousa.

Na perspetiva do secretário-geral do PCP, na atual fase política, é também “significativo o processo de reaproximação [PS/PSD] e de assumida articulação e procura de consensos envolvendo o conjunto dos partidos responsáveis pela governação que conduziu o país à grave situação de fragilidade e atraso económico e social em que se encontra”.

“Uma convergência que está em curso em novos domínios, dos fundos comunitários à descentralização, dando expressão a uma espécie de Bloco Central informal, entre PS e PSD, com a nomeação de interlocutores das partes e com o PSD a ousar já propor a revisão da própria Constituição da República a reboque de uma pretensa reforma da Justiça”, frisou Jerónimo de Sousa.

Neste contexto, Jerónimo de Sousa avançou com mais um exemplo de entendimento político entre socialistas e sociais-democratas, referindo que esta semana PS, PSD e CDS se “concertaram na solução que engendraram e aprovaram de desregulação do transporte de passageiros em automóveis ligeiros para servir as multinacionais, como a Uber”.

“Uma solução que se traduz num ataque concertado ao sector nacional do táxi. Anda mal o PS se procura a solução para os problemas nacionais com o PSD e CDS, em vez de romper com as políticas do passado de exploração e empobrecimento do povo e de afundamento do país”, avisou.

Ler mais
Relacionadas

PCP e CGTP querem ver o PS a aprovar alterações à lei laboral

As propostas do PCP para acabar com a caducidade dos contratos coletivos de trabalho vai ser debatidas e votadas na quarta-feira. Os comunistas querem que o PS fique do lado “dos trabalhadores”, mas o Ministro do Trabalho já disse que as propostas não estão na agenda da concertação social.

PCP recusa consensos com um PSD que quer “andar para trás”

“Consensos para quê?”, questionou Jerónimo de Sousa, acrescentando: “Para privatizar mais na área da saúde, para proceder a cortes na segurança social, para alterar o regime democrático através de alterações e produtos de secretaria em relação a eleições?”.

Rui Rio assume a liderança do PSD e afasta a hipótese de um novo Bloco Central: “Não existe nem existirá”

“Os partidos existem para servir o país e não para dar corpo às suas pequenas tácticas e aos interesses dos seus dirigentes”, afirmou Rui Rio, no primeiro discurso como novo líder do PSD. Apontando no sentido da coesão interna, Rio agradeceu e fez rasgados elogios a Passos Coelho (líder cessante) e a Pedro Santana Lopes (adversário nas eleições diretas), suscitando fortes aplausos dos militantes.

Bloco Central: a experiência única de 1983-85 foi breve mas cumpriu objetivos

O PS de Soares venceu as legislativas de 1983 sem maioria absoluta. Crise económica impulsionou acordo de governação com o PSD de Mota Pinto.

Estamos a caminho de um Bloco Central em 2019?

Rio não descarta a hipótese de uma aliança com o PS. Mas o “interesse nacional” que o líder do PSD quer assegurar pode custar-lhe votos em 2019.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários