Jerónimo de Sousa: “Que caminho, afinal, quer o Governo fazer?”

O secretário-geral comunista considerou esta sexta-feira que quando o PS converge com o PCP a vida em Portugal melhora, no debate parlamentar sobre o estado da nação, questionando o primeiro-ministro sobre se quer prosseguir o caminho.

“Nestas e em tantas outras medidas está a marca do PCP, da nossa iniciativa e proposta, e a prova de que, quando o PS converge com o PCP, a vida dos trabalhadores e do povo melhora. Se não se foi mais longe, foi porque o Governo e o PS fizeram outras opções e decidiram-se por outras convergências”, disse Jerónimo de Sousa, após enumerar diversas iniciativas de devolução de remunerações ou reversões da política da anterior governação PSD/CDS-PP.

O líder do PCP defendeu ser preciso “ir mais longe na defesa, reposição e conquista de direitos”, salientando o aumento geral de salários, pensões, reformas e apoios sociais, por exemplo, reiterando a “política, alternativa, patriótica e de esquerda”, com um “eixo central”: a “revogação das normas gravosas da legislação laboral” e o combate à precariedade, baixos salários e horários desregulados.

“Que caminho, afinal, quer o Governo fazer?”, inquiriu Jerónimo de Sousa.

Segundo o secretário-geral comunista, nos “dois últimos anos e meio, onde a reposição de direitos e rendimentos, onde anseios e preocupações dos trabalhadores e do povo tiveram resposta, ainda que limitada e insuficiente, a vida avançou no sentido certo”, mas “onde se mantiveram opções do passado e da política de direita, onde o Governo travou os avanços e se acentuaram a convergências entre PS PSD e CDS, os problemas mantêm-se ou agravam-se”.

“Partilho consigo do balanço claramente positivo destes dois anos e meio. Eu percebo que temos aqui uma relação desigual. O sr. deputado [Jerónimo de Sousa] pode escolher a parte boa da lua que deseja e eximir-se à outra parte. Eu assumo a lua por inteiro em todos os seus ciclos. Este é o caminho que queremos continuar a percorrer, entendemos que há condições, e com a companhia com quem temos estado a percorrer”, respondeu António Costa.

O primeiro-ministro recordou as muitas medidas adotadas por proposta de PEV, PCP, BE, PS e até do programa Governo, ajustadas ao ritmo dos parceiros, mas destacou que o executivo também se responsabilizou pelas “outras medidas que tornam todas estas viáveis e sustentáveis”.

António Costa voltou a defender a nova proposta de lei do Governo para alterar a legislação laboral, após acordo em concertação social, uma vez que considera que vai combater a precariedade, relembrando os 300 mil novos postos de trabalho criados nesta legislatura, dos quais 85% foram contratos sem termo, além do maior processo de integração nos quadros do Estado que alguma vez foi feito.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários